Antonio Lacerda/EFE
Antonio Lacerda/EFE

Após perder pênalti, Diego admite que Fla jogou abaixo do esperado

Meia é o único rubro-negro a desperdiçar penalidade em disputa com o Cruzeiro, na Copa do Brasil

Estadão Conteúdo

28 de setembro de 2017 | 00h35

Responsável pela cobrança de pênalti que acabou decidindo o título da Copa do Brasil, o meia Diego admitiu na noite desta quarta-feira que o Flamengo jogou abaixo do esperado contra o Cruzeiro, na final disputada no Mineirão, e apontou ainda "responsabilidades individuais" pelo vice-campeonato do time carioca.

"Em alguns momentos faltou jogar, aparecer para o jogo, estar mais próximo para fazer as jogadas", reclamou o jogador, sem citar nomes do Flamengo. "A gente é um grupo, mas tem também as responsabilidades individuais."

O segundo jogo da final da Copa do Brasil terminou empatado em 0 a 0. Sem critério de gol qualificado, a competição acabou sendo decidida nos pênaltis, em razão do empate também no jogo de ida (por 1 a 1), no Rio de Janeiro.

+ Antero Greco - O craque, o goleiro, a definição

+ Flamengo amarga segunda grande decepção no ano ao cair na final da Copa do Brasil 

O Cruzeiro converteu todas as suas cinco cobranças. Mas o Flamengo perdeu uma delas. Diego cobrou no canto, mas o goleiro Fábio foi buscar, praticamente assegurando o título para os anfitriões - as cobranças foram encerradas com a finalização certa de Thiago Neves logo na sequência.

"Tivemos chances de vencer durante os 90 minutos e nos pênaltis eles foram mais felizes", comentou Diego, que acabou decidindo a disputa ao perder sua penalidade. "Procurei fazer o meu melhor, mas infelizmente não deu", afirmou.

O goleiro Alex Muralha também lamentou o resultado das penalidades. Ele apostou na estratégia de pular no mesmo canto, direito, em todas as finalizações cruzeirenses. "A gente estudou, fez uma estratégia. Mas, infelizmente, não deu certo", declarou o goleiro flamenguista.

Tudo o que sabemos sobre:
FlamengoCopa do Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.