Adrian Dennis/AFP Photo
Adrian Dennis/AFP Photo

Após perder pênalti em queda russa, Mário Fernandes se desculpa com colegas

Lateral nascido no Brasil, que falhou após fazer o gol que levou a partida para as penalidades, ressaltou que queda não pode apagar ótima campanha

Estadão Conteúdo

08 Julho 2018 | 06h02

Brasileiro naturalizado russo, o lateral-direito Mário Fernandes foi um dos principais nomes da eliminação dos donos da casa na Copa do Mundo. Em Sochi, no último sábado, marcou o gol que selou o empate por 2 a 2 já no fim da prorrogação, mas errou a cobrança que resultou na vitória da Croácia na disputa de pênaltis, o que fez com que se desculpasse com seus colegas.

+ Símbolos de uma era, ‘sete irmãs de Stalin’ ostentam poder

+ Quem vai sobrar? Maioria da seleção brasileira atual deve estar apta para 2022

+ Eliminação agiliza negociações de jogadores da seleção no mercado

"É preciso pedir perdão por falhar no pênalti. É necessário ser homem, assumir e pedir desculpas, ainda que todos tenham me dito que não era necessário, que somos uma equipe, e isso só reforça o quão grande somos", declarou.

No sábado, a Rússia saiu na frente no primeiro tempo com o gol de Cheryshev, mas a Croácia empatou pouco depois com Kramaric. Na prorrogação, Vida virou, mas a poucos minutos para o fim do tempo extra, Mário Fernandes aproveitou cobrança de falta da direita e desviou de cabeça para a rede. Nos pênaltis, porém, o lateral chutou para fora sua tentativa e viu os croatas vencerem.

"Foi um momento de alegria quando fiz o gol que levou aos pênaltis. Depois, tinha que bater o pênalti. Não podia fugir da responsabilidade, então cobrei, errei e acabamos perdendo. Mas o grupo todo está de parabéns pela entrega e pelo jogo. Hoje, perdemos, mas não faltou luta. E agradecemos o apoio da torcida, que nos ajudou muito", comentou.

 

Mário Fernandes também considerou que a queda nos pênaltis não pode apagar a ótima campanha da Rússia, que surpreendeu ao chegar nas quartas, deixando pelo caminho a Espanha nas oitavas. "O sentimento por tudo é bom. Sei da importância de errar um pênalti, mas não podemos esquecer o que fizemos", avaliou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.