Sílvia Izquierdo / AFP
Sílvia Izquierdo / AFP

Após perder referências, Cuca precisará reconstruir defesa santista para reta final do Brasileirão

Sem Lucas Veríssimo e Diego Pituca, equipe terá que encontrar caminho para buscar vaga na próxima edição da Libertadores

Leandro Silveira, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2021 | 10h00

O elenco do Santos finalista da Copa Libertadores mesclou jovens jogadores com atletas identificados e bastante tempo de casa, a ponto de quatro titulares na decisão contra o Palmeiras terem atuado mais de 150 vezes pelo clube. Duas dessas referências que ajudaram a guiar o time, porém, estão de saída: Lucas Veríssimo e Diego Pituca.

Negociados com o Benfica e o Kashima Antlers, eles se despediram do clube no sábado e vão forçar o técnico Cuca a buscar novas opções para escalar o sistema defensivo, já começando pelo duelo de quarta-feira com o Grêmio, em Porto Alegre, pela 34.ª rodada do Campeonato Brasileiro. E o time tem a quinta defesa mais vazada do torneio, com 44 gols sofridos.

O treinador já tem algumas opções para escalar o time. No meio-campo, Sandry desponta como o favorito a receber uma sequência como titular. Com apenas 18 anos, ele tem conquistado cada vez mais a confiança de Cuca, a ponto de ter sido a principal surpresa na escalação do Santos na decisão da Libertadores contra o Palmeiras, em detrimento de outro "xodó", o atacante Lucas Braga.

A mudança foi desfeita no segundo tempo da decisão, mas a sua atuação em uma partida de peso chamou a atenção, ajudando tanto na marcação como na armação. Deve ter ganho pontos com o treinador, que também não poderá utilizar por meses o volante Jobson, outra opção para o setor, por causa de uma grave lesão no joelho.

Para a zaga, Cuca tem três opções para compor a dupla com o titular Luan Peres: Luiz Felipe, Alex e Laércio. Nesse caso, Luiz Felipe, mesmo que tenha falhado na derrota para o Atlético-MG, quando só os reservas atuaram, desponta como principal candidato a assumir a vaga. É quem tem mais histórico pelo clube - 112 jogos. Já Alex se recupera de lesão e Laércio tem oscilado quando recebe chances com Cuca.

O treinador também precisará recuperar a moral do elenco e concentrá-lo nos últimos seis compromissos no Brasileirão, depois de passar as últimas semanas priorizando a Libertadores. Hoje o time é o décimo colocado, com 45 pontos.

O goleiro John, porém, garante que todos deixaram o Maracanã de cabeça erguida. "A gente leva a família, esse grupo jovem, cheio de talentos. Time coletivo, que joga para ganhar. Hoje as coisas não aconteceram, mas saímos de cabeça erguida porque fizemos nosso melhor", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.