Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Após polêmica, Corinthians tira a cor verde da fachada do Itaquerão

Funcionários usam guindaste para pintar de branco parte da parede do estádio

ALMIR LEITE, PAULO FAVERO E VÍTOR MARQUES, O Estado de S. Paulo

14 de agosto de 2013 | 18h44

SÃO PAULO - Para evitar críticas desnecessárias, o Corinthians decidiu pintar de branco parte da fachada do Itaquerão que estava na cor verde. O tom é da cola usada em uma das camadas da cobertura, que receberá ainda uma camada branca, outra preta e, por fim, uma outra branca. Mas a torcida corintiana ficou irritada com o verde, tão característico do rival Palmeiras, no novo estádio e protestou, pichando o muro do Parque São Jorge com a frase "abaixo a cobertura verde".

Conselheiros e sócios do clube que frequentam o Parque São Jorge no fim de semana também protestaram por causa da cor verde. O que mais causou críticas foi o fato de o site da Fifa ter feito uma reportagem sobre a arena e a foto que ilustrava a matéria focava a cobertura do estádio pintada na cor verde.

Segundo os responsáveis pela obra, foi pedido para o fornecedor, a Firestone, uma cola na cor cinza, mas enviaram uma na cor verde. O material foi usado, e isso foi suficiente para que chovessem críticas dos torcedores corintianos.

No início do mês, a Fifa publicou em seu site um foto aérea do estádio e o tom verde aparecia na cobertura. Muitos torcedores reclamaram, sem saber que a cor não seria definitiva. Para tentar encerrar a polêmica, nesta quarta-feira operários do Itaquerão deram início à pintura para fazer o verde "desaparecer".

Atualmente, o canteiro de obras do estádio do Corinthians conta com 1.400 trabalhadores e atingiu a marca de 84% de avanço. No momento, parte da estrutura que ligará os dois principais prédios pela cobertura está sendo colocada e o telão de LED de 170 metros de comprimento por 20 metros de altura já está posicionado na fachada leste. A expectativa é que o Itaquerão, palco de abertura da Copa do Mundo de 2014, fique pronto no final do ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.