Após polêmica, futebol alemão ainda não usa tecnologia

A primeira rodada do Campeonato Alemão, disputada no fim de semana, já teve uma grande polêmica. Num dos jogos de sábado, o árbitro não validou o gol de Kevin Volland, do Hoffenheim, durante o empate por 2 a 2 com o Nuremberg, ao não perceber que a bola cruzou a linha. Apesar disso, a liga que organiza a competição avisou que ainda não pensa em utilizar a tecnologia da linha do gol, aprovada pela Fifa, antes da próxima temporada.

AE-AP, Agência Estado

12 de agosto de 2013 | 12h04

O árbitro Thorsten Kinhoefer chegou a admitir seu erro no gol não marcado para o Hoffenheim após ver o vídeo do lance no intervalo. Mas, naquela altura, já não podia mais voltar atrás da decisão, o que acabou sendo decisivo para o resultado do jogo. Técnico da equipe, Markus Gisdol defendeu a arbitragem, mas aproveitou o erro para pedir que a tecnologia seja utilizada no Campeonato Alemão. "É o mais justo a ser feito", afirmou o treinador.

A polêmica, no entanto, não fez a DFL, liga que organiza o Campeonato Alemão, rever sua posição sobre o uso da tecnologia da linha do gol, descartada para a atual temporada. Segundo o diretor da entidade, Andreas Rettig, ainda é preciso fazer mais testes com o sistema, para diminuir a margem de erro permitida pela Fifa - três centímetros. "Isso é simplesmente muito para a gente", avisou o dirigente, exigindo que a margem seja de milímetros.

A Fifa já aprovou o uso da tecnologia da linha do gol, chegando a utilizar o novo sistema durante a disputa da Copa das Confederações, em junho, no Brasil. No Campeonato Alemão, porém, a novidade ainda precisará de um tempo para ser implantada. Segundo a DFL, 1.224 jogos foram analisados nas duas últimas temporadas e apenas dois erros desse tipo foram encontrados. Assim, a entidade entende que a situação não é grave e permite mais testes.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCampeonato Alemão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.