Após polêmica, treinador do Barcelona não relaciona Eto´o

Depois de uma semana repleta de polêmicas no Barcelona, o treinador holandês Frank Rijkaard decidiu neste sábado não relacionar o atacante camaronês Samuel Eto´o para o jogo da equipe catalã contra o Valencia, no domingo, fora de casa, no Estádio Mestalla, pela 23ª rodada do Campeonato Espanhol. O jogador africano chegou a atacar o comandante da equipe e o companheiro Ronaldinho Gaúcho.Toda a confusão teve início no fim de semana passado, quando Eto´o negou-se a entrar em campo nos minutos finais na vitória sobre o Racing Santander por 2 a 0. Rijkaard levou o fato à imprensa, o que deixou o camaronês irritado. Ele acusou o chefe de ser "mau caráter" e também não perdoou o craque brasileiro, que havia dito que africano deveria pensar mais no grupo e menos em si.Antes da troca de farpas, o presidente do Barcelona, Joan Laporta, tentou minimizar a negativa do camaronês de entrar em campo, alegando que o atleta ainda não estava totalmente recuperado de uma operação no joelho. Porém, a crise foi amenizada na quarta-feira, quando Eto´o e Ronaldinho Gaúcho se abraçaram antes do treino, selando uma suposta paz. O africano declarou que toda a crise foi gerada pela imprensa e negou ter insultado o treinador.Com o veto de Eto´o, o técnico holandês relacionou o argentino Saviola e islandês Gudjohnsen. Entre os 18 jogadores que irão viajar para o confronto em Valência, aparecem os brasileiro Edmílson, Belletti, Thiago Motta, Ronaldinho Gaúcho e Deco (naturalizado português). O lateral Sylvinho, ex-Corinthians, já está recuperado de uma lesão na perna direita, mas ainda segue fora da equipe.Líder do Espanhol, o Barcelona tem 43 pontos, três a mais que o segundo colocado, o Sevilla, que receberá o Atlético de Madrid, também no domingo. O time de Sevilha não poderá contar com o lateral-esquerdo brasileiro Adriano, que está machucado na coxa esquerda e ficará parado por ao menos três semanas.Dia do ficoDepois de todo o bate-boca, Rijkaard avisou neste sábado que continuará no Barça na próxima temporada. "Vou seguir [no comando do time]. Pensei no futuro e decidi que sim", disse o holandês, que já recebeu ofertas para comandar a Inter de Milão e o Chelsea, segundo a imprensa européia."Nunca disse que iria sair. Estou feliz no Barcelona e é uma honra trabalhar aqui. Me parece prepotente dizer que estarei aqui durante muitos anos. Sei como funciona o futebol e nunca sabemos o que vai acontecer no futuro. Mas não tenho a intenção de deixar para trás pessoas que gosto muito", acrescentou o treinador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.