Albert Gea/ Reuters
Albert Gea/ Reuters

Após protestos, Argentina cancela amistoso com Israel por questão de segurança

A partida vinha sendo alvo de críticas e ataques por causa do conflito político entre israelenses e palestinos

Estadão Conteúdo

05 Junho 2018 | 19h34

Os protestos foram muitos, surtiram efeito e, nesta terça-feira, a Argentina anunciou o cancelamento do amistoso marcado para sábado diante de Israel, em Jerusalém, preparatório para a Copa do Mundo da Rússia. A partida vinha sendo alvo de críticas e ataques por causa do conflito político entre israelenses e palestinos.

+ Para Müller, Alemanha de 2018 é individualmente melhor do que a campeã de 2014

+ Técnico de Portugal vê país como candidato ao título e exalta fase de Ronaldo

+ Fora da Copa, Daniel Alves passa por cirurgia e diz que 'tudo correu bem'

O amistoso vinha causando polêmica desde seu anúncio, mas os protestos ganharam força nos últimos dias. Nesta terça, cerca de 15 palestinos apareceram no treino da seleção argentina, em Barcelona, vestindo camisas da seleção sul-americana manchadas de vermelho para simbolizar o sangue derramado pelos israelenses no conflito.

A atitude gerou impacto no elenco da seleção e os jogadores inclusive teriam manifestado o desejo de não disputar o amistoso. Horas depois, a Associação do Futebol Argentino (AFA) decidiu pelo cancelamento. "No fim, pudemos fazer o correto. Em primeiro lugar, está a saúde e o senso comum. Acreditamos que o melhor era não ir", declarou o atacante Higuaín em entrevista à ESPN argentina.

O protesto desta terça foi a última de uma série de manifestações realizadas pelos palestinos. A Liga Árabe chegou a divulgar um comunicado na última semana que dizia que Israel utiliza o futebol como fim político. Já a Associação de Futebol Palestina informou que faria campanha para impedir que a Argentina recebesse a Copa do Mundo de 2030 se o amistoso fosse realizado.

 

"Esta partida é como se nós celebrássemos o aniversário da ocupação das Malvinas. Isto seria uma aberração, uma falta de respeito e uma agressão ao sentimento do povo argentino", comparou o embaixador palestino na Argentina, Husni Abdel Wahed, lembrando do conflito entre argentinos e ingleses pelas Ilhas Malvinas.

No ano passado, o presidente Donald Trump reconheceu Jerusalém como capital de Israel. Há alguns meses, o mandatário norte-americano também informou que transferirá a embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para Jerusalém.

Desde 1947, a parte leste de Jerusalém é reconhecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) como território árabe. Apenas Israel e os Estados Unidos divergem dessa demarcação. Além disso, os palestinos reclamam que o estádio onde será disputado o amistoso é de um dos clubes mais racistas do país. O Beitar Jerusalém não aceita jogadores árabes.

De qualquer forma, a tendência é que a Argentina agora busque um novo adversário para encerrar sua preparação para a Copa do Mundo da Rússia. A seleção nacional está no Grupo D da competição, ao lado de Croácia, Nigéria e Islândia, adversária da estreia, dia 16 de junho, em Moscou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.