Emmanuel Dunand/AFP
Emmanuel Dunand/AFP

Após queda com Colômbia na Copa, James Rodríguez trata lesão muscular em Medellín

Atleta do Bayern de Munique sofreu uma lesão na panturrilha durante o Mundial

Estadão Conteúdo

09 Julho 2018 | 05h14

Passada a decepção pela eliminação nas oitavas de final da Copa do Mundo com a Colômbia, o meia James Rodríguez está em seu país natal para tratar da lesão muscular que tanto o atrapalhou no torneio na Rússia. O jogador realiza trabalhos de recuperação em Medellín.

+ Zagueiro inglês diz que Colômbia foi a equipe mais 'suja' que ele já enfrentou

+ Quatro anos depois de tirar Neymar da Copa, Zuñiga se apresenta

Atleta do Bayern de Munique, James não viajou rumo à Alemanha ao fim do Mundial, mas sim à Colômbia. O jogador foi submetido a exames pelos médicos de seu clube, que comprovaram a lesão na panturrilha, mas decidiu fazer a recuperação ao lado de sua família. "Estou melhorando, voltarei melhor", escreveu nas rede sociais o meia, que deve voltar às atividades normais em três semanas.

O médico da seleção, Carlos Ulloa, confirmou os rumores de que James já se apresentou para a Copa do Mundo com problemas musculares nas duas pernas. A imprensa colombiana falou bastante da possibilidade de uma sobrecarga. "Foi nosso trabalho despistar, porque isso faz parte do jogo", afirmou Ulloa.

 

Na Copa, James teve minutos limitados contra Japão e Senegal e atuou por 90 minutos contra a Polônia. Após o fim da primeira fase, houve muita dúvida sobre sua participação nas oitavas contra a Inglaterra, na eliminação colombiana, mas Ulloa explicou que a comissão técnica já sabia que o jogador seria desfalque.

"Para a última partida, dentro da política que teve o departamento médico, que era de não dar muita informação, falou-se de lesão muscular sem dar a gravidade ou severidade do problema. Isso, também, para ajudar um pouco e não dar informação não só à imprensa colombiana, mas também à de outros países, para que especulassem um pouco sobre a partida", comentou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.