Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Após queda de Osmar Loss, Corinthians corre para salvar o ano

Time enfrenta o Palmeiras no domingo, pelo Brasileirão, e o Flamengo na quarta-feira pela Copa do Brasil

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2018 | 05h00

A saída de Osmar Loss do comando técnico do Corinthians ocorre em um momento crítico da temporada. O time se afastou da briga por uma vaga na Libertadores após a derrota para o Ceará por 2 a 1 e tem dois clássicos na sequência. O primeiro é diante do arquirrival Palmeiras, domingo, no Allianz Parque. Além da rivalidade tradicional, o jogo marca o retorno do Corinthians à arena palmeirense depois da polêmica final do Campeonato Paulista, jogo que o time do Palmeiras ainda tem impugnar. No torneio, o principal objetivo é somar pontos para chegar à Libertadores

Na quarta-feira, o rival será o Flamengo, no jogo de ida das semifinais da Copa do Brasil. De acordo com a diretoria, o tornerio é a prioridade na temporada. Por causa disso, a diretoria tem pressa em escolher um novo nome.

"A gente não vem atingindo os objetivos, então a gente entende que é a hora de dar uma pausa. Osmar volta a ser auxiliar. A partir do próximo jogo já teremos um novo treinador. Ainda não temos, não tem nada acertado. Isso foi uma decisão agora no vestiário. Então queria comunicar quer o Corinthians, a partir de amanhã, volta a trabalhar com uma mudança e o Osmar volta a ser auxiliar-técnico", afirmou o diretor de futebol Duílio Monteiro Alves.

Nenhum treinador foi procurado pela diretoria. Dentre os treinadores disponíveis no mercado estão Vanderlei Luxemburgo (que já comandou o clube por duas vezes, entre 1997 e 1998 e entre 2001 e 2002), Dorival Júnior (que chegou a ser procurado em 2016, quando estava no Santos), Jair Ventura, Roger Machado, Fernando Diniz, Dunga, Levir Culpi e Abel Braga.

O dirigente afirmou que o perfil do novo treinador ainda não está definido. "Isso foi uma decisão agora, no vestiário. Não existe nada em andamento, começamos a trabalhar agora. Sobre perfil temos que ver a gora, o mercado, filosofia do clube, profissionais que estão aqui. Mas tem que ser rápido, lógico. A gente pretende na sexta-feira, no mais tardar sábado, já ter um treinador trabalhando pra já estar presente no jogo", revelou. 

Loss foi promovido a treinador em maio, após a saída de Fábio Carille. Neste período, ele comandou a equipe em 25 jogos, com dez vitórias, cinco empates e dez derrotas, com 46,6% de aproveitamento.

"A gente não vem vendo a evolução necessária, mas sabemos do grande profissional que o Loss é, o quanto é conhecedor. Volta a ser nosso auxiliar, ele é jovem. Podemos até ter queimado etapas. A gente é contra a troca de treinador, tentamos não fazer, viemos lutando, mas infelizmente não conseguimos. A gente até acha que pode extrair mais, o time pode render mais. A posição na tabela não é boa", disse o dirigente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.