Após queda, Guarani anuncia novo diretor de futebol

No começo da semana o presidente do Guarani, Álvaro Negrão, prometeu reestruturar o departamento de futebol, depois da queda do time no Campeonato Paulista. E a primeira medida tomada pela direção foi a indicação de Rogério Giardini como novo diretor de futebol. Ele vai acumular a função com a de vice-presidente do conselho deliberativo.

AE, Agência Estado

24 de abril de 2013 | 20h05

A ideia é trabalhar mais a longo prazo e resgatar a tradição do clube em revelar jogadores. "Não podemos pensar somente na Série C do Brasileiro, que começa em breve. Temos que pensar a longo prazo, trabalhando na base para que possamos retomar nossas origens", discursou Giardini, que é de uma tradicional família bugrina.

Apesar da presença do dirigente, ele fez questão de ressaltar que alguns profissionais vão ser contratados para organizar o novo departamento. A saída do experiente Isaías Tinoco está definida e deve ser anunciada nos próximos dias.

Para ser o técnico do time na Série C, existem alguns nomes em evidência, mas nada definido até agora. "Nossa prioridade é para um técnico que já tenha experiência na Série C e também na Série B", destacou Giardini.

À parte isso, o presidente Negrão mantém o empenho para negociar parte do patrimônio do clube. A ideia inicial não é vender o Estádio Brinco de Ouro, mas aproveitar a área do conjunto poliesportivo para a construção de um shopping e um grupo de prédios comerciais.

"Esta é a alternativa para evitarmos que o clube possa perder todo seu patrimônio por conta de enormes dívidas e processos trabalhistas [perto de 450] acumulados nos últimos 10 anos", completou.

Na terça-feira, o dirigente esteve reunido com o prefeito Jonas Donizete (PSB) para viabilizar a parte de viabilização urbana. O prefeito confirmou que pretende ajudar não só o Guarani, como a Ponte Preta que tem planos para construir a Arena Ponte Preta.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolGuaraniRogério Giardini

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.