Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Após queda no Paulistão, Palmeiras tenta fazer ataque voltar a funcionar

Atacantes não marcaram nos últimos jogos do clube (um contra o San Lorenzo e dois diante do São Paulo)

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2019 | 04h30

Os altos investimentos do Palmeiras na contratação de atacantes não significaram, até agora, aumento do número de gols em 2019. Nos últimos três jogos, o time passou em branco. Por isso, o ataque titular formado por Dudu (R$ 19 milhões), Deyverson (R$ 18 milhões), Gustavo Scarpa (R$ 23 milhões) e Ricardo Goulart (empréstimo com opção de compra por R$ 43 milhões) chega pressionado para o jogo com o Junior Barranquilla, nesta quarta-feira, no Allianz Parque, pela Libertadores da América. 

“Não são apenas os atacantes que estão preocupados (com a falta de gols). Eles precisam da nossa aproximação. Estamos tentando resolver isso para criar mais chances”, disse o zagueiro Luan. 

O Palmeiras passou em branco nos dois jogos das semifinais do Paulistão diante do São Paulo e contra o San Lorenzo, na Argentina, na semana passada, pelo torneio sul-americano. A última vez que o time havia ficado três jogos sem marcar foi em maio de 2015, no empate com o Joinville (0 a 0 pelo Campeonato Brasileiro), na derrota para o Goiás (1 a 0 também pelo Brasileirão) e no empate com o ASA (0 a 0, pela Copa do Brasil).

Em 19 jogos da temporada, o time de Felipão fez 24 gols, com uma média de 1,26 por jogo. No ano passado, a média foi de 1,70 por partida. Os artilheiros do elenco são Scarpa e Goulart, com quatro gols cada.

O time vem compensando a baixa produção ofensiva com uma defesa sólida. No Paulistão, foram apenas seis gols sofridos e o melhor desempenho defensivo do torneio. O Palmeiras foi eliminado com a melhor campanha geral.  

Outras razões tornam a vitória necessária na partida das 21h30. O clube precisa se recuperar emocionalmente da eliminação no Campeonato Paulista e voltar a brigar pela liderança no Grupo F da Libertadores. Hoje, é vice-líder. Embora uma pequena parcela da torcida tenha protestado após a queda no Paulistão, o Allianz Parque estará lotado: 26 mil ingressos foram vendidos antecipadamente. 

Com pouco tempo de preparação para a partida, Felipão teve apenas um dia para treinar com os titulares. Na última segunda-feira, os que atuaram no jogo com o São Paulo ficaram na parte interna, fazendo exercícios de recuperação muscular. Victor Luis, que deixou o clássico de domingo com dores, participou do aquecimento sem restrições. A imprensa só teve acesso aos primeiros minutos do treinamento. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.