Divulgação
Divulgação

Após receber alta no hospital, Zagallo recebe a visita de Tite em sua casa no Rio

Tetracampeão ficou internado por uma desidratação

Estadão Conteúdo

24 Agosto 2016 | 20h55

O técnico da seleção brasileira, Tite, e o coordenador Edu Gaspar visitaram o tetracampeão Zagallo, de 85 anos, que deixou o hospital há uma semana. O ex-jogador e ex-treinador ficou internado por conta de uma desidratação. "Fiquei muito feliz com o encontro. Considero o Zagallo um exemplo e tenho muita admiração por ele. Acredito que seja um símbolo para o futebol brasileiro por toda a sua história e um exemplo de paixão naquilo que faz. Ele transmite isso", comentou Tite ao site da CBF.

Quem também acompanhou a dupla da seleção brasileira foi Carlos Alberto Parreira, que era o treinador na conquista do tetra e tinha Zagallo como auxiliar. Nesta época, Edu lembra que foi convocado pela primeira vez para seleção brasileira. "Lembro até hoje da minha esposa me avisando que alguém da CBF estava na linha e queria falar comigo. Mal esperava para desligar o telefone e comemorar. Foi uma sensação inesquecível. E reencontrá-los foi muito bom, ainda mais o Zagallo, alguém que admiro muito pela história que tem", comentou.

Zagallo foi hospitalizado por conta de uma desidratação no último dia 8, véspera de seu aniversário. Seu estado de saúde, no entanto, não foi detalhado pela assessoria de imprensa do hospital. De acordo com informações de um parente próximo reveladas à reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, o ex-treinador foi internado após ficar muito cansado quando carregou a tocha olímpica no Rio.

Tetracampeão do mundo pelo Brasil, o lendário personagem do futebol brasileiro conduziu a tocha olímpica sentado em uma cadeira de rodas, no penúltimo dia do revezamento da pira antes da cerimônia de abertura. Visivelmente magro e debilitado, emocionou fãs que acompanharam de perto a sua participação.

Ao longo de quase 70 anos de dedicação ao futebol, Zagallo faturou dois títulos de Copa do Mundo como jogador (1958 e 1962), um como treinador (1970) e um como auxiliar-técnico de Parreira (1994).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.