Após reunião, Icasa encerra greve nesta terça-feira

Jogadores resolvem por dar voto de confiança aos dirigentes do clube e vão entrar em campo contra o Guarani na Fares Lopes 

Estadão Conteúdo

01 Setembro 2014 | 20h49

Após três dias sem treinar, o elenco do Icasa decidiu encerrar a greve a partir desta terça-feira. Depois de uma longa reunião de três horas com a diretoria, os jogadores decidiram dar mais um voto de confiança nos dirigentes e prometeram entrar em campo nesta terça, quando o clube faz o clássico local contra o Guarani, de Juazeiro do Norte (CE), pela Taça Fares Lopes, que dá vaga a um representante do Ceará na Copa do Brasil de 2015.

Os jogadores vinham se recusando a treinar desde o último sábado por conta dos dois meses de salários atrasados. Havia uma promessa de que o clube quitasses os débitos vencidos após o empate o Vasco por 1 a 1, no último dia 22. No entanto, apenas um mês foi pago.

Agora, a nova promessa da diretoria é de que até o final desta semana os salários atrasados sejam quitados. Para isso, o Icasa estaria aguardando apenas uma cota da CBF que foi desbloqueada. "Vamos confiar na palavra deles. Esperamos que a diretoria possa cumprir com a gente o que prometeu", avisou o zagueiro Naylhor, após a reunião.

Como não vêm treinando há três dias, o novo técnico Wladimir de Jesus optou por colocar em campo contra o rival Guarani o time que enfrentará a Ponte Preta, nesta sexta, pela Série B do Campeonato Brasileiro. Será a estreia do treinador, que foi contratado no final de semana para assumir a vaga de Leandro Sena. Além da troca de técnico, o clube também demitiu o diretor executivo André Turatto nesta segunda.

Além dos problemas financeiros, que o derrubaram para a zona de rebaixamento com 19 pontos, o Icasa ainda convive com a possibilidade de exclusão na Série B. Na sexta passada, o time foi excluído em primeira instância no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). O clube é acusado de ter acionado a Justiça Comum antes de esgotar as esferas esportivas. Tudo para reivindicar a vaga na elite nacional do Figueirense, que teria inscrito um jogador de maneira irregular na Série B do ano passado.

A tendência é que o time cumpra a sua tabela na competição até que o Pleno do STJD julgue o recurso, em data ainda indefinida.

Mais conteúdo sobre:
futebol Icasa greve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.