Kai Pfaffenbach / Reuters
Kai Pfaffenbach / Reuters

Após se destacar na Copa, goleiro Akinfeev anuncia aposentadoria da seleção russa

Goleiro demonstra otimismo com futuro da seleção russa: 'nova geração é muito boa e promissora'

Estadão Conteúdo

01 Outubro 2018 | 10h54

O goleiro Igor Akinfeev anunciou nesta segunda-feira que não jogará mais pela seleção russa. "Toda a história tem um começo e um fim. Assim, a minha história com a seleção nacional chegou logicamente ao fim", avisou o jogador.

Akinfeev, de 32 anos, estreou na seleção russa aos 18 anos e participou de 112 jogos. O goleiro teve atuação destacada na Copa do Mundo deste ano, ao defender dois pênaltis diante da Espanha, nas oitavas de final. Seu último jogo foi frente à Croácia nas quartas de final do Mundial, do qual a Rússia foi eliminada justamente nas penalidades.

"Foi uma grande honra para mim liderar a equipe russa na Copa do Mundo", disse o capitão. "Honestamente, eu não poderia ter sonhado com isso. Mas aconteceu e provavelmente foi o auge da minha carreira com a equipe nacional."

Akinfeev disse que ficou satisfeito com o desempenho russo na Copa, após chegar para a disputa sob intensas críticas da imprensa e da torcida. "Não ganhamos nenhuma medalha na Copa do Mundo, mas todos fizeram o que puderam. O mais importante é que ninguém ficou indiferente entre nós."

O goleiro demonstra otimismo com relação ao futuro da seleção russa. "Estou saindo com paz de espírito. É muito boa e promissora a nova geração. Alguns rapazes já se revelaram líderes reais durante a Copa", ressaltou.

Akinfeev afirmou que vai se concentrar em seus trabalhos pela equipe do CSKA Moscou, que joga nesta terça-feira contra o Real Madrid, às 16 horas (de Brasília), em casa, pela Liga dos Campeões. As equipes estão no Grupo G, ao lado de Roma e Viktoria Plzen.

O CSKA é o atual quarto colocado no Campeonato Russo, com 16 pontos, seis a menos que o líder Zenit. Vice-líder, o Krasnodar tem 19 e o Rostov soma 18 na terceira posição.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.