Ronald Zak/AP
Ronald Zak/AP

Após se recusar a fazer discurso, Joseph Blatter ouve críticas de rivais

Presidente da Fifa recebe ataques indiretos em Congresso da Uefa

Estadão Conteúdo

24 de março de 2015 | 13h50

Depois de se recusar a fazer um discurso de campanha no Congresso da Uefa, o presidente Joseph Blatter ouviu calado as críticas proferidas pelos rivais nas eleições da Fifa, em maio. Da primeira fila, o dirigente suíço recebeu nesta terça-feira ataques indiretos a sua gestão à frente da entidade nos últimos 16 anos.

"O atual estado de desordem [na Fifa] pede por uma mudança na liderança. Não posso me isentar. É responsabilidade da nossa geração limpar toda essa bagunça", declarou Michael van Praag, um dos opositores de Blatter nas eleições do dia 29 de maio. O presidente da federação holandesa fez o discurso mais duro contra o suíço, que busca seu quinto mandato na presidência da Fifa.

Um dos atuais vice-presidentes da entidade, o príncipe jordaniano Ali bin al-Hussein também pediu mudanças. "Precisamos deixar para trás essa abordagem autoritária da Fifa", disse outro rival de Blatter nas eleições de maio. Já o ex-jogador Luis Figo usou tom mais ameno para fazer críticas. "Eu conheço o futebol pelo lado de dentro e de fora e sei o que é bom e o que é ruim para o futebol", declarou o português.

Blatter, por sua vez, recusou a oportunidade de fazer um discurso de campanha diante dos dirigentes das federações que integram a Uefa. Apesar disso, ele pôde fazer uma declaração no início do evento, no qual evitou o tema eleições. Falou apenas da autonomia do esporte ao rejeitar as propostas de boicotes às Copas do Mundo de 2018, na Rússia, e de 2022, no Catar, por motivos políticos.

"Eu já fiz meu discurso para pedir unidade e solidariedade", disse o suíço, em entrevista à agência Associated Press. "É nisso que eu acredito também para os próximos dois meses: unidade e solidariedade. É a nossa única abordagem, na Fifa e também diante de todos os desafios que aparecerem", afirmou Blatter, que segue sendo o favorito nas eleições, apesar da concorrência de três opositores.

O atual presidente da Fifa foi bem recebido pelos dirigentes europeus durante o Congresso da Uefa. Ele foi aplaudido por representantes das 54 federações presentes no evento, em contraste com as críticas que recebeu dos mesmos dirigentes durante o Congresso da Fifa realizado antes do início da Copa do Mundo, em junho do ano passado, no Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.