John SIbley / Reuters
John SIbley / Reuters

Após ser repreendido, Maradona se desculpa com a Fifa por críticas à arbitragem

Argentino havia dito que partida entre Colômbia e Inglaterra foi um 'roubo monumental'

Estadão Conteúdo

05 Julho 2018 | 11h42

Um dia depois de ser repreendido pela Fifa pelas críticas públicas feitas à arbitragem do confronto entre Inglaterra e Colômbia, pelas oitavas de final da Copa do Mundo da Rússia, o argentino Diego Maradona se desculpou. Através das redes sociais, publicou uma foto ao lado do presidente da entidade, Gianni Infantino, e se mostrou arrependido pelas declarações.

+ Falcao García critica atuação de árbitro após queda da Colômbia: 'Vergonha'

+ 4 anos depois, colombiano que tirou Neymar da Copa se aposenta por lesão no joelho

"Tomado pela emoção de torcer para a Colômbia no outro dia, disse algumas coisas e, admito, algumas delas são inaceitáveis. Minhas desculpas à Fifa e seu presidente. Por mais que às vezes eu possa ter opiniões contrárias a algumas decisões de arbitragem, tenho absoluto respeito pelo trabalho - nada fácil - que fazem a instituição e os árbitros", escreveu em sua página no Instagram.

Maradona foi bastante duro nas críticas ao árbitro norte-americano Mark Geiger após a derrota nos pênaltis da Colômbia para a Inglaterra, terça-feira. O jogador considerou que o juiz beneficiou o time inglês e disse que os colombianos foram vítimas de um "roubo monumental".

A Fifa, que tem Maradona como um dos seus embaixadores, "repreendeu fortemente" as declarações na quarta-feira e afirmou que suas "insinuações são totalmente inapropriadas e completamente sem fundamento". "A Fifa lamenta profundamente ler tais declarações de um jogador que faz parte da história do futebol", declarou a entidade, em comunicado.

 

As críticas marcam mais um episódio polêmico de Maradona em solo russo neste Mundial. O ídolo argentino já virou notícia por fumar um charuto em área proibida dentro de estádio e fazer gestos obscenos na arquibancada, após vitória da Argentina sobre a Nigéria, na fase de grupos.

A nova controvérsia atinge diretamente sua relação com a Fifa porque ele é oficialmente um embaixador da entidade e considerado uma das "Lendas" do programa da Fifa de valorização de jogadores ilustres. Além disso, está na Copa assistindo aos jogos como convidado VIP.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.