Divulgação
Divulgação

Após show, Maracanã terá até 3.000 m² de grama trocada para Flamengo x Palmeiras

Apresentação de Roger Waters na noite desta quarta-feira motivará operação em tempo recorde

Estadão Conteúdo

24 Outubro 2018 | 16h02

Depois de abrigar na noite desta quarta-feira o show do músico Roger Waters, ex-vocalista da banda Pink Floyd, o Maracanã precisará passar por uma "operação de guerra" para poder receber neste sábado, às 19 horas, o confronto entre Flamengo e Palmeiras pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Por meio de nota oficial divulgada pela assessoria do estádio nesta quarta, 1.500 pessoas realizarão a desmontagem do enorme palco do show e a Greenleaf, empresa responsável pelo gramado do Maracanã, vai trocar até 3.000 m² de grama em menos de 48 horas, pois este processo não poderia ocorrer no sábado, dia do duelo entre flamenguistas e palmeirenses.

A definição da quantidade de gramado a ser substituída dependerá da avaliação que ocorrerá após o grande evento da noite desta quarta, quando o espaço do campo, protegido por uma estrutura instalada acima dele, será ocupado por pessoas que adquiriram ingressos de pista para ver o consagrado artista britânico mais de perto.

O jogo entre Flamengo e Palmeiras marcará o encontro entre os respectivos segundo colocado e líder do Brasileirão atualmente. Até por isso, o uso do Maracanã com a sua grande capacidade de abrigar torcedores é considerada fundamental para o time rubro-negro, que deverá contar com forte apoio para buscar uma vitória que o deixaria a apenas um ponto dos palmeirenses na competição.

Antes de abrigar o grande show de Roger Waters, o Maracanã já recebeu neste ano apresentações de nomes como Phil Collins, Pearl Jam e Foo Fighters. E, embora o estádio hoje seja utilizado com frequência bem menor pelos clubes cariocas do que em outros tempos, os administradores do estádio esperam receber, até o fim do ano, um público total de cerca de dois milhões de pessoas por meio de jogos, shows e demais eventos culturais.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.