Albert Gea/Reuters - 03/06/2013
Albert Gea/Reuters - 03/06/2013

Após suspeita de irregularidades, Rosell renuncia à presidência do Barcelona

Dirigente é investigado pela justiça espanhola por desvio de dinheiro na contratação de Neymar

O Estado de S. Paulo

23 de janeiro de 2014 | 12h22

BARCELONA - Após suspeitas de irregularidades na contratação de Neymar, Sandro Rosell renunciou nesta quinta-feira ao cargo de presidente do Barcelona, segundo o jornal Mundo Deportivo. O novo presidente do clube catalão será Josep Maria Bartomeu, que era o vice. No meio do ano uma eleição deve ser convocada para apontar quem será o novo mandatário do clube. O último presidente do Barcelona a deixar a presidência do clube dessa forma foi Joan Gaspart em 2003.

Rosell sai na mesma semana em que deu explicações para minimizar a investigação movida pela justiça espanhola sobre o desvio de dinheiro na negociação com o atacante santista. A suspeita é que parte do dinheiro investido para trazer Neymar foi desviado dos cofres do clube. A pressão foi determinante para a decisão de Rosell, que vai oficilizar a decisão em entrevista coletiva às 15h, pelo horário de Brasília.

O jornal espanhol El Mundo publicou na última segunda-feira que a contratação de Neymar 95 milhões de euros (R$ 300 milhões). Sandro Rosell, no entanto, garante que os 57 milhões de euros (cerca de R$ 180 milhões) oficializados após a negociação são de fato o valor da transferência.

Nos supostos contratos secretos estariam 8,5 milhões de euros que iriam para o pai de Neymar. O Barcelona ainda teria pago 7,9 milhões para reservar eventuais promessas que surgissem no Santos e mais 9 milhões de euros para jogar um amistoso contra o clube. A essa conta ainda deveriam ser somadas comissões para a realização de projetos sociais nas favelas, num valor de 2,5 milhões de euros. Outros 2 milhões seriam usados para buscar novos craques no Brasil, além de 4 milhões de euros para atrair investidores brasileiros. Desse valor, outros 5% de comissão ao pai de Neymar mais uma vez seriam adicionados.

Em meio aos desencontros de informações, Pablo Ruz requisitou em dezembro do ano passado os contratos envolvidos no acordo. A determinação foi feita após a denúncia de Jordi Cases, um sócio do clube, que acusou Sandro Rosell de apropriação indevida de valores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.