Fernando Vergara / AP
Fernando Vergara / AP

Após ter jogo adiado, Corinthians estreia na Libertadores feminina nesta segunda-feira

Conmebol garantiu segurança das equipes no Equador e clube brasileiro enfrentará o Ñaña, às 19h, em Quito

João Prata, O Estado de S.Paulo

14 de outubro de 2019 | 09h47

A Conmebol confirmou que as partidas da Copa Libertadores Feminina serão retomadas nesta segunda-feira. O Corinthians estreia às 19h (de Brasília) contra o Club Ñanas, no estádio Olímpico de Atahualpa, em Quito, no Equador. A partida era para ter acontecido sábado, mas devido à onda de protestos que o país anfitrião enfrenta, precisou ser adiada.

O comunicado da Conmebol, assinado pelo diretor de competições de clubes, Frederico Nantes, garante segurança para as equipes entrarem em campo sem sobressaltos. "Tendo em conta que a reunião do governo equatoriano e representantes dos manifestantes terminou com um acordo onde é possível a garantia de serviços básicos e de segurança adequada para esse tipo de evento, a Conmebol decidiu continuar com a realização do torneio”, declarou a entidade por meio de nota oficial.

O Corinthians tem enfrentado dificuldades desde que chegou a Quito, no dia 6. A delegação precisou mudar de hotel por causa dos protestos, teve um dos treinos cancelados e o jogo que aconteceria sábado foi adiado. Passou a trabalhar mais no próprio hotel também. A Ferroviária, o outro time representante brasileiro na disputa, teve uma rotina mais tranquila no Equador. A equipe chegou na quarta-feira, treinou na quinta e entrou em campo sexta-feira com direito a goleada por 10 a 1 sobre o Mundo Futuro, da Bolívia. Nathane foi o destaque da partida com cinco gols. Por causa do adiamento dos jogos do fim de semana, a Ferroviária, que jogaria nesta segunda-feira contra o Estudiantes, de Caracas, teve o confronto adiado - a Conmebol ainda não confirmou a nova data. Mas parece óbvio que o torneio, por causa dos atrasos, vai ser esticado alguns dias em seu calendário.  

Em nota enviada ainda no sábado, quando soube do adiamento do jogo, o Corinthians comentou a situação em Quito. "Os confrontos vem ganhando escala nos últimos dias, com episódios de violência extrema nas ruas. Há registros, segundo dados de autoridades locais, de cinco mortos e mais de 260 feridos", informou o clube. Nesta segunda-feira, o Corinthians garantiu presença no torneio. "Diante das garantias dadas pelos organizadores, principalmente relacionadas às questões de segurança dos participantes e à regularização do calendário de competição sem novas interrupções, o Corinthians permanecerá no Equador para a disputa da Libertadores Feminina", complementou. 

A Libertadores Feminina é disputa de uma única vez, com todos os jogos no mesmo país-sede. Os times atuam seguidamente na competição até se chegar ao grande campeão. São duas quinzenas de disputa. Há 16 equipes credenciadas, duas do Brasil. Ela começa com fase de grupos e depois passa para mata-mata.

ENTENDA OS PROTESTOS

O governo equatoriano e a Confederação das Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie) anunciaram um acordo para frear a onda de protestos no país que ocorre há 11 dias. O presidente Lenin Moreno revogou o decreto que retirava subsídios aos combustíveis, principal motivo pela revolta da população. O presidente informou que será elaborado um novo texto, a ser redigido por comissão integrada por organizações do movimento indígena e com a supervisão dos demais órgãos do Estado. 

As manifestações, lideradas pelo Conaie, ocorreram em várias cidades motivadas pelo aumento de 123% no preço da gasolina. Nos últimos dias houve bloqueio de estradas em Quito e Guayaquil, as duas principais cidades do Equador. Moreno chegou a decretar estado de exceção em todo o país no último dia 3 e anunciou a troca da sede do governo de Quito para Guayaquil. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.