Jacques Brinon/AP
Jacques Brinon/AP

Após ter pena elevada, Leonardo pede demissão do PSG

Dirigente brasileiro foi punido por 1 ano depois de empurrar o árbitro Alexandre Castro

AE, Agência Estado

10 de julho de 2013 | 09h00

PARIS - Seis dias depois de ter uma suspensão de nove meses ampliada para um ano no futebol francês, Leonardo pediu demissão, nesta quarta-feira, do cargo de diretor esportivo do Paris Saint-Germain. O brasileiro teve a sua decisão lamentada pelo clube, que confirmou a saída do dirigente em seu site oficial.

"A direção do clube lamenta sua decisão, mas a respeita. Agradecemos muito por suas importantes contribuições para o projeto de construção de um clube europeu de ponta em Paris e desejamos tudo de melhor para futura escolha de sua carreira", ressaltou o PSG, por meio de uma curta nota publicada em seu site.

Desta forma, a direção do time parisiense preferiu não entrar em detalhes sobre o pedido de demissão, aceito pelo clube, depois de a Comissão Superior de Apelação de Federação Francesa de Futebol (FFF) revisar a pena imposta a Leonardo. Ele havia sido proibido por nove meses de exercer sua função por conta de um empurrão no árbitro Alexandre Castro ao fim da partida entre PSG e Valenciennes, no começo de maio, em rodada do Campeonato Francês.

Sem poder sequer entrar no vestiário de um jogo oficial e assinar documentos em nome do clube, o dirigente ainda viu a FFF ampliar a sua suspensão, que passou a valer até 30 de junho de 2014. Ele primeiro foi suspenso provisoriamente pela comissão disciplinar da Liga Francesa e depois acabou punido com nove meses de afastamento em nova reunião do comitê.

Naquela ocasião, Leonardo disse que o delegado do jogo o empurrou para cima de Castro, enquanto as imagens captadas por uma rede de televisão mostram claramente que o brasileiro parou deliberadamente o árbitro principal da partida no túnel que levava o mesmo aos vestiários.

O dirigente agiu de forma intempestiva por estar insatisfeito com a arbitragem na qual Castro expulsou o zagueiro brasileiro Thiago Silva ainda no primeiro tempo da partida diante do Valenciennes. Leonardo precisou ser contido pelo presidente do PSG, Nasser Al-Khelaifi, no túnel que dava acesso aos vestiários.

Na última quinta-feira, quando havia a expectativa até de que a sua pena pudesse ser amenizada, Leonardo não apareceu no seu julgamento, em Paris, alegando que estava no meio de uma negociação. O fato irritou os membros da Comissão de Apelação, que resolveram ampliar a punição, sendo que novas imagens foram usadas para provar que o brasileiro entrou deliberadamente na frente do árbitro.

Para completar, o PSG perdeu três pontos na próxima edição do Campeonato Francês no julgamento realizado no fim de maio. O clube recorreu, mas a Comissão de Apelação da Federação Francesa de Futebol decidiu repassar essa decisão para a Comissão Disciplinar da Liga Francesa.

Ajudado pelo trabalho realizado por Leonardo como diretor esportivo, o Paris Saint-Germain foi campeão francês na última temporada, encerrando um jejum de títulos do principal torneio do seu país que durava desde 1994. Para completar, o time foi às quartas de final da Liga dos Campeões, na qual acabou eliminado pelo Barcelona.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.