Marco Galvão/Copinha
Marco Galvão/Copinha

Após título na Copinha, torcedores rivais lamentam fim do meme e palmeirenses atualizam música

Clube alviverde ergue taça do torneio de juniores, supera gozação dos adversários e exalta título de 1951 em nova versão de canto

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2022 | 14h16

"Não tem Copinha, não tem Mundial". Durante anos torcedores entoavam os versos para provocar os palmeirenses. Tudo mudou nesta terça-feira, quando o Palmeiras goleou o Santos por 4 a 0 e faturou seu primeiro título da Copa São Paulo de Futebol Júnior. Na internet, o fim do meme foi lamentado pelas torcidas adversárias. 

"Hoje o Brasil está de luto, uma grande perda deixa o Brasil muito mais triste. Descanse em paz, a piada 'Palmeiras não tem Copinha'", escreveu um usuário do Twitter. "Eu amava cantar 'O Palmeiras não tem Mundial, não tem Copinha, não tem Mundial'. Infelizmente, isso chegará ao fim", escreveu outro ainda no decorrer do jogo. 

A gozação dos rivais que o Palmeiras enterra é uma paródia da música "História pro Sinhozinho", do cantor e compositor baiano Dorival Caymmi. Para não restar dúvida do fim da piada, os torcedores do Palmeiras fizeram questão de criar uma nova versão da música, exaltando o título da Copa Rio de 1951. 

"O Palmeiras já tem mundial, o Palmeiras já tem mundial. Ganhou a Copinha e tem Mundial, ganhou a Copinha e tem Mundial”, cantaram os torcedores no Allianz Parque após o título. 

A Copa Rio de 1951 foi um dos primeiros torneios interclubes com abrangência mundial a serem realizados no planeta, sendo disputada antes mesmo da Copa Intercontinental. Na edição daquele ano, o Palmeiras foi campeão ao vencer a Juventus por 1 a 0 e empatar o segundo jogo por 2 a 2. Ambas as partidas foram realizadas no Maracanã. 

O Palmeiras já pleiteou na Fifa o reconhecimento da competição como o primeiro torneio de clubes do mundo, mas a entidade negou. Agora, o Palmeiras visa um eventual confronto contra o Chelsea, vencedor da Liga dos Campeões, em Abu Dabi, para encerrar de vez as zoações adversárias. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.