Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Após torcida quebrar 66 cadeiras, Palmeiras terá de ressarcir reparos no Pacaembu

Clube terá de bancar custo pelo ato de vandalismo após eliminação na Libertadores; o valor não foi revelado

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

28 de agosto de 2019 | 18h39


Um parte da conta pela eliminação na Copa Libertadores diante do Grêmio, na última terça-feira, já chegou ao Palmeiras na tarde desta quarta. O clube recebeu o aviso da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (Seme) de São Paulo que terá de bancar a troca de 66 cadeiras quebradas no estádio do Pacaembu pela torcida alviverde após a derrota do time por 2 a 1. O valor cobrado não foi divulgado.

O número do estrago foi contabilizado na tarde desta quarta, após vistoria realizada no estádio realizada com a presença de um funcionário do clube. Os assentos danificados já foram trocados pela administração do Pacaembu para deixar o local em condições para a partida desta quinta-feira. A seleção brasileira feminina de futebol vai realizar um amistoso com a Argentina, em encontro que marca a estreia da técnica sueca Pia Sundhage. 

Parte da torcida do Palmeiras quebrou as cadeiras para demonstrar revolta com a eliminação do time na Libertadores. Após vencer o jogo de ida do Grêmio por 1 a 0 e abrir o placar na volta, com Luiz Adriano, a equipe do técnico Luiz Felipe Scolari levou a virada, com gols de Éverton e Alisson, e deu adeus à competição continental.  

Segundo a Seme, as cadeiras foram rapidamente trocadas pois o Pacaembu tem um estoque de assentos guardados exclusivamente para substituições em casos emergenciais. A partida entre Palmeiras e Grêmio não foi realizada no Allianz Parque pois a arena recebeu recentemente o show da dupla Sandy e Junior no último dim semana. 

Em agosto do ano passado o Santos passou por situação idêntica. A equipe foi eliminada pelo Independiente, da Argentina, pela Copa Libertadores, e após a partida houve uma confusão no Pacaembu. O balanço feito no dia anterior foi de 266 cadeiras quebradas. Pelo estrago, o clube da Vila Belmiro teve de pagar R$ 28 mil à administração do estádio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.