DANIEL TEIXEIRA | ESTADAO CONTEUDO
DANIEL TEIXEIRA | ESTADAO CONTEUDO

Após tragédia, clubes buscam motivação para última rodada do Brasileirão

Alteração de data, tragédia e férias antecipadas devem esvaziar jogos

O Estado de S. Paulo

05 de dezembro de 2016 | 05h00

O acidente com o avião da Chapecoense contribuiu para gerar uma série de incertezas e aumentar a expectativa pela última rodada do Campeonato Brasileiro. Com o adiamento dos jogos em uma semana, muitos atletas ficaram sem vínculo contratual com seus clubes a partir de hoje. Além disso, já pensando no planejamento de 2017 e respeitando um período mínimo legal de férias, vários clubes devem adiantar o descanso dos seus atletas.

Além disso, o abalo psicológico e a desmotivação que afeta os jogadores após a morte dos colegas, agregado à disposição atual na tabela de classificação, tiram o brilho da 38.ª rodada. Poucos são os times que irão a campo com força máxima. A verdade é que, não se sabe ao certo se a última rodada terá dez ou nove jogos. O confronto entre Chapecoense e Atlético-MG não deve ocorrer. O time mineiro já adiantou que não joga. O catarinense também não quer ir a campo.

O campeão Palmeiras deve mandar a campo contra o Vitória um time misto ou mesmo reserva, na intenção de prestigiar jogadores do elenco que foram pouco aproveitados. Amanhã, os jogadores se reapresentam na Academia de Futebol e muitos devem ganhar férias.

Na luta pela Libertadores, Flamengo e Santos já garantiram a vaga diretamente à fase de grupos. O Atlético-MG está na pré-Libertadores. Atlético-PR, Botafogo e Corinthians lutam pelas outras duas vagas. O time carioca não terá o atacante Neilton que, suspenso, curte férias.

Na quarta-feira, o Grêmio enfrenta o Atlético-MG na segunda partida final da Copa do Brasil. Se campeão, garante vaga na Libertadores, perdendo objeto o confronto contra o Botafogo.

Na parte de baixo da tabela, três rebaixados já estão definidos: América-MG, Santa Cruz e Figueirense. O time catarinense enfrenta o Sport sem três jogadores. O atacante Rafael Moura, abalado pela tragédia com a Chapecoense, foi dispensado pela diretoria; o zagueiro Werley ficou sem contrato; e o meia Dodô tem casamento agendado para o domingo.

O Internacional corre sério risco de ser rebaixado e cogitou não jogar em meio à tragédia com o time de Chapecó.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.