Após 'treino', Corinthians pensa em como vencer o Bragantino

Goleada na Copa do Brasil mostra virtudes, mas pode ter mascarado defeitos. E jogadores temem isso

Milton Pazzi Jr., estadao.com.br

14 de fevereiro de 2008 | 09h53

A vitória do Corinthians por 6 a 0 sobre o Barras, do Piauí, na noite de quarta-feira, foi ótima no sentido de mostrar o que time tem de fazer para vencer os jogos, no balanço que os jogadores e o técnico Mano Menezes fizeram após a partida. Como a realidade volta a ser o Campeonato Paulista, com jogo no domingo, contra o Bragantino - um adversário mais difícil -, o temor é que as falhas sejam 'mascaradas'. Mesmo sem admitir quais seriam estes problemas. Veja também: Bate-pronto: Perguntas positivas, respostas negativas Lulinha festeja o fim da 'nhaca' em noite dos gols debutantes Corinthians desencanta, goleia e avança na Copa do Brasil O zagueiro e capitão William aponta que aconteceram acertos, mas deixa claro o receio. "Jogamos como equipe grande contra o Barras, com seriedade. Por isso o placar dilatado, se começássemos a só fazer gracinhas, não daria certo. Premiamos nosso torcedor e serviu como treino para domingo. Temos esse compromisso difícil contra o Bragantino, mas serviu para acertarmos algumas coisas, já que temos pouco tempo para treinar." "É um jogo [contra o Barras] que nos proporcionou fazer muita coisa do que queríamos fazer. O planejamento, às vezes, não dá certo, mas hoje deu, inclusive, para estrear o Suárez", diz o técnico Mano Menezes, que ainda avaliou a participação de outros jogadores que são opção para a partida do fim de semana. "O Marcel entrou bem, a gente sabe que ele precisa melhor muito a massa muscular, aos poucos a gente faz isso com todo mundo. Na frente retorna o Lima, assim como temos o Bóvio, que estava há quatro meses sem jogar, e foi bem. Não acredito nessa linha de mexer depois de um jogo ruim, temos de trabalhar e dar confiança aos jogadores", disse, em entrevista à rádio Eldorado/ESPN. Se há um fato que o time exalta sem receio é o fato de que o Corinthians acabou com outra marca negativa com a vitória na quarta em Goiânia: desde agosto do ano passado não vencia duas partidas seguidas (2 a 0 no Santos e 2 a 1 no América-RN, pelo Brasileirão). "Desde que eu tô aqui acho que não acontecia, mas esperamos manter a regularidade e surpreender nesta Copa do Brasil. Fazia tempo que não ganhávamos fora de casa, o time está bem", diz o goleiro Felipe. "Acho que isto nunca aconteceu comigo no time, muito menos uma goleada destas. É muito bom fazer um monte de gols e ver a torcida comemorar, mas temos que manter o foco no trabalho, sempre", diz o politicamente correto meio-campista Lulinha - que enfim desencantou e marcou seu primeiro gol como profissional. As opções para o jogo de domingo contra o Bragantino - às 16 horas, no Morumbi - serão testadas a partir desta sexta, quando o time treina, no Parque São Jorge. Acosta deve continuar no banco, Perdigão pode voltar (caso se recupere de lesão), e a dupla de ataque pode não ser Herrera e Dentinho. UM DE CADA VEZO goleiro Felipe conta que o trabalho, em seu ponto de vista, está no caminho certo. E que neste primeiro semestre o negócio é esquecer o fato de que o time disputará a Série B do Brasileirão, pensando só em ser campeão da Copa do Brasil e, talvez, do Paulistão. "São oito jogos que estamos sem perder, para esse início está bom. O Mano [Menezes] diz que no começo é mais fácil destruir que construir, e estamos construindo algo. Acho que é muito cedo para dizer algo concreto, mas a Copa do Brasil é um campeonato que só importa o título. A gente está pensando nisso. No segundo semestre, pensamos na Série B." COELHO FORAO lateral-direito Coelho não joga mais no Corinthians. O técnico Mano Menezes confirmou sua liberação. "É uma decisão que tomamos com ele, entendemos que é o melhor, e estudamos o que fazer daqui para frente. Logo teremos algo", diz, sobre o futuro do jogador. Ele deve ser emprestado ou negociado em definitivo - cogita-se que o Atlético Mineiro, time pelo qual disputou o Brasileirão do ano passado, estaria interessado em seu retorno.

Tudo o que sabemos sobre:
Corinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.