Daniel Teixeira / Estadão
Daniel Teixeira / Estadão

Após um mês, São Paulo 'rompe' com a passagem de Ceni como técnico

Demissão do técnico marcou o início de várias mudanças no clube

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2017 | 07h00

Menos de um mês depois de demitir o técnico Rogério Ceni, a diretoria do São Paulo modificou hábitos e determinações do ex-treinador no CT da Barra Funda e demitiu pessoas ligadas ao ídolo. 

A mudança mais flagrante para os torcedores é a presença dos familiares dos atletas no CT da Barra Funda durante o período de treinamentos. A prática não era bem vista pelo ex-treinador, que chegou a repreender publicamente o meia Cícero durante o treino por ter levado seu filho para o CT. O ex-treinador não queria que os jogadores perdessem o foco nos treinos, principalmente com a sequência de resultados ruins no início do Brasileirão. 

Após a saída de Ceni, os filhos de Jucilei – os pequenos Kauan, de seis anos, e Roberth, de quatro – visitaram vários treinos por causa das férias escolares. O mesmo aconteceu com os filhos de Lugano e Marcinho. O técnico Dorival Junior é favorável às visitas. “A molecada está de férias e não quer ficar em casa. É uma alegria quando eles estão aqui. É importante ter esse incentivo da família”, afirmou o volante, citando a luta da equipe contra o rebaixamento. 

Jogadores ouvidos pelo Estado afirmaram que o clima ficou “mais leve” com a saída do ex-treinador, embora o time ainda não tenha saído da zona de rebaixamento. Na semana que antecedeu o jogo com o Flamengo, que acabou definindo a demissão do ídolo do cargo de técnico, os atletas relatam que os treinos eram tensos e carregados de reclamações. 

O relacionamento de Ceni com os jogadores se tornou mais difícil depois de dois episódios: o lance de fair play de Rodrigo Caio nas semifinais do Campeonato Paulista, criticado pelo treinador internamente, e o afastamento de Lucão após uma falha na partida diante do Atlético Mineiro. 

Um dia após a saída de Ceni, o departamento de futebol continuou em transformação com as saídas do preparador físico José Mario Campeiz e do preparador de goleiros Haroldo Lamounier. À época, a diretoria explicou que as mudanças não haviam sido pedidas pelo novo treinador. 

Lamounier trabalhou com Ceni por 13 anos. Em 2016, quando o ídolo encerrou a carreira como jogador, o preparador foi mandado para as categorias de base. Ele só voltou ao time principal quando Ceni assumiu o cargo de treinador. 

Após a demissão de Lamounier, o São Paulo ficou dois dias com Octávio Bittencourt fazendo o trabalho interinamente. Ele foi formado nas categorias de base e integrado à comissão técnica do time principal em janeiro. O novo preparador escolhido foi Marco Antônio Trocourt, indicado pelo técnico Dorival Júnior. 

Nas últimas semanas, o clube cortou profissionais de diversas áreas. Fontes ligadas à diretoria consideram “normais” as mudanças após a troca na comissão técnica. Em relação às demissões, afirmam que elas tiveram motivações econômicas e com a otimização do trabalho e que seriam realizadas independentemente da saída de Ceni. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.