Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Após vaga, Renato Gaúcho faz analogia com paquera para questionar posse de bola

'Apesar de esse ano triste para o mundo todo, a gente podia dar a alegria para o nosso torcedor como demos', declarou o técnico

Redação, Estadão Conteúdo

31 de dezembro de 2020 | 11h22

A classificação do Grêmio à final da Copa do Brasil veio com uma vitória sobre o São Paulo por 1 a 0, em Porto Alegre, e um empate sem gols na partida de volta, na capital paulista. Nos dois jogos o time são-paulino teve maior posse de bola, mas isso foi desdenhado pelo técnico gremista Renato Gaúcho, que fez uma analogia com paquera para explicar o que aconteceu.

"A tua pergunta é boa. Deixa eu te contar uma coisa sobre posse de bola. Minha equipe é objetiva para buscar o gol. Não adianta ficar tocando a bola dentro do próprio campo. Quando meu time tem a bola, é agressivo. A mim, não interessa ter 70% de posse de bola. Vou te contar uma historinha sobre posse de bola. Teve um cara que pegou uma mulher bonita e levou ela para jantar. Levou para jantar à luz de velas, conversou bastante. Saiu do restaurante, foi na boate e ficou até às 5 horas da manhã com ela. Gastou uma saliva monstruosa. Aí, na boate, chegou um amigo meu, conversou com ela 15 minutos e levou ela para o motel. Entendeu? Se não entendeu outra hora eu explico. Meu amigo ganhou o jogo. Feliz Ano Novo", afirmou.

O treinador do Grêmio comentou ainda que sabia o que fazer para parar o São Paulo no estádio do Morumbi. "Nós usamos o regulamento debaixo do braço na hora certa. As melhores oportunidades no primeiro tempo foram do Grêmio. O jogo foi bom. Tínhamos que anular as jogadas do São Paulo, principalmente com o Daniel Alves. Não demos espaço e no segundo tempo, lá pela metade, a gente sabia que eles iam começar a alçar bola na área e treinamos isso com três zagueiros. Soubemos sofrer e vai da estratégia, estratégia. Aí sim é saber sofrer no final", explicou.

"Enfrentamos uma grande equipe e não é por nada que o São Paulo é líder do Campeonato Brasileiro. O São Paulo pressionou, pressionou... Mas quase nada. O São Paulo não conseguiu grandes chances. O grupo suportou bem essa pressão com bolas alçadas na área. O importante foi a classificação. Jogamos com regulamento somente no final do jogo", finalizou Renato Gaúcho ao falar da postura do Grêmio ao longo da partida.

Depois da classificação, o Grêmio terá folga nos próximos quatro dias, o que permite uma comemoração mais tranquila da vaga na decisão da Copa do Brasil, que será contra o Palmeiras em fevereiro. Renato Gaúcho já avisou que vai curtir com a família e amigos no Rio de Janeiro, com o tradicional chope.

"Vou tomar chope porque champanhe é muito cara. Vou tomar chope, curtir minha família e meus amigos, já pedi licença ao presidente. Está todo mundo cansado, estávamos em três competições, vivemos dentro de avião e hotel. Merecido o grupo ter os dias de folga. Apesar de esse ano triste para o mundo todo, a gente podia dar a alegria para o nosso torcedor como demos", disse o técnico.

O elenco do Grêmio volta a trabalhar na segunda-feira e encara o Bahia na próxima quarta, pela 28.ª rodada do Brasileirão, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.