Gerard Julien/AFP
Gerard Julien/AFP

Após vaias, Ancelotti cobra reação do Real Madrid na temporada

Técnico não entende o fraco futebol apresentado e cobra reação

Estadão Conteúdo

11 Março 2015 | 09h17

Incomodado pela atuação irregular do Real Madrid contra o Schalke, o técnico Carlo Ancelotti tenta descobrir as causas da queda de rendimento de sua equipe nesta segunda metade da temporada europeia. A segunda derrota seguida da equipe espanhola, na noite de terça-feira, foi acompanhada por vaias no Santiago Bernabéu, apesar da classificação às quartas de final da Liga dos Campeões.

"Temos que dizer isso de forma bem clara: estamos jogando muito mal. E isso é quase incompreensível, levando em conta o futebol que estávamos jogando antes do Natal", avalia o treinador. "Nós merecemos as vaias, mas acho que elas podem nos motivar mais. Ainda acredito neste time porque sei o que eles podem render." 

Na terceira partida seguida do Real sem vitória, o time da casa levou seguidos sustos do Schalke e sofreu com o sufoco nos minutos finais. Se tivesse marcado mais um gol, o time alemão teria eliminado o atual campeão ainda nas oitavas de final da competição europeia. O Real avançou mesmo perdendo por 4 a 3 porque vencera por 2 a 0 na ida.

"Estivemos sob pressão até o último minuto. Tudo poderia ter acontecido. Ninguém gosta de partidas como essa. Tentamos resolver nossos problemas na defesa (no intervalo) porque estávamos desorganizados em campo. Falhamos em vários aspectos", admite Ancelotti.

A classificação sofrida aconteceu dois dias depois de o Real perder a liderança do Campeonato Espanhol para o rival Barcelona. Diante destas oscilações, o treinador acredita que o Real precisa trabalhar forte para resgatar não apenas a confiança como também a identidade da equipe liderada por Cristiano Ronaldo.

"Perdemos confiança no nosso jogo e nossa identidade, então não podemos mais jogar como queremos. Tudo muda muito rápido no futebol. Ninguém imaginava que algo como isso pudesse acontecer em dezembro. Vamos fazer com que as vaias façam nosso time acordar", afirma o técnico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.