Após vencer Argentina, Mano diz que 2012 foi 'um bom ano' para a seleção

Técnico argentino Alejandro Sabella diz que ganhou o jogo mas perdeu nos pênaltis

Ariel Palácios,

22 de novembro de 2012 | 04h50

BUENOS AIRES - "Fizemos um bom ano". Com esta frase, o treinador da seleção brasileira de futebol, Mano Menezes, resumiu a atuação de seus jogadores ao longo de 2012. As declarações do técnico foram realizadas após o final do jogo desta quarta-feira à noite no estádio de La Bombonera, no bairro de La Boca, contra a seleção argentina. Menezes celebrou a vitória do "Superclássico" , afirmando que os jogadores "tiveram um comportamento de competição".

 

Os anfitriões venceram os 90 minutos por 2 a 1. Mas, nos pênaltis, o Brasil derrotou a Argentina por 4 a 3. O goleiro Diego Cavalieri, feliz por ter sido escalado, sustentou em uma breve conversa com a imprensa pouco antes de partir do estádio que o principal objetivo era "vencer". Além disso, ressaltou que considerava que havia deixado uma "boa impressão" na torcida.

 

O jogo transcorreu em meio a um inédito cenário do La Bombonera parcialmente vazio. No entanto, Menezes sustentou que esse estádio é "um grande palco para um esporte da grandeza do futebol". A falta de interesse dos argentinos foi notória, mais ainda levando em conta que o último jogo da seleção nativa nesse estádio ocorreu em 1997, há uma década e meia.

 

O técnico argentino, Alejandro Sabella, tentou relativizar a vitória final brasileira: "ganhamos o jogo". Sabella referia-se aos 90 minutos, ao longo dos quais a Argentina emplacou dois gols contra um. "A gente ganhou o jogo...mas perdemos nos pênaltis", argumentou. Sabella sustentou que estava "contente" e que os jogadores argentinos haviam passado por um "jogo muito difícil".

 

A contabilidade futebolística da seleção argentina indica que teve sete triunfos em 2012, dois empates, além de duas derrotas. Estas duas, coincidentemente, com o Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.