Carl Recine / Reuters
Carl Recine / Reuters

Após vice na Copa do Mundo, atacante Mandzukic se aposenta da seleção da Croácia

Atacante é o segundo maior artilheiro do time nacional, atrás apenas de Davor Suker

Estadão Conteúdo

14 Agosto 2018 | 12h14

A Copa do Mundo da Rússia está marcado o fim da carreira de alguns grandes jogadores em suas seleções nacionais. Este é o caso de alguns campeões de 2010 com a Espanha - como Andrés Iniesta, Gerard Piqué e David Silva - e agora do croata Mario Mandzukic. Perto de completar um mês da derrota na grande final para a França em Moscou, o atacante de 32 anos anunciou nesta terça-feira que não vai mais defender a equipe da Croácia.

Em uma carta aberta endereçada aos torcedores que foi divulgada em seu Instagram, Mandzukic disse que tomou uma decisão que parecia "impossível" e se disse orgulhoso pelos 14 anos defendendo a seleção da Croácia. Ainda não está definido se o atacante da Juventus ganhará uma partida de despedida por parte da Federação Croata de Futebol (HNS, na sigla em croata).

"Eu sempre gostei de falar no campo e não fora dele. Portanto, essas palavras são um pouco mais difíceis do que enfrentar um adversário ou correr por 120 minutos. Mais difícil porque sei quanta felicidade me traz todas as convocações, jogos e vitórias. Mais difícil porque sei que honra é vestir a camisa croata e representar o país. Mais difícil porque eu sei que este é finalmente o fim dessas palavras. E, no entanto, sei que é hora certa para essas palavras", disse Mandzukic.

O atacante revelou que a derrota na final da Copa do Mundo ajudou a tomar a decisão. "Tanto quanto o vice-campeonato me enche de nova energia, tornou mais fácil para mim tomar essa decisão impossível. Nós experimentamos nossos sonhos, fizermos um sucesso histórico e sentimos o incrível amor dos fãs. Este mês, bem como a chegada a Zagreb, continuará a ser a memória mais importante da minha carreira. Foi a viagem mais bonita com a equipe e a melhor volta para casa. Estou muito feliz, orgulhoso da prata pela qual morremos há anos, através de muito esforço, trabalho, desapontamento e momentos pesados", afirmou.

"Não há tempo ideal para ir. Se pudéssemos, acredito que todos nós jogaríamos pela Croácia enquanto vivêssemos porque não há orgulho maior. Mas sinto que o momento é para mim agora. Eu fiz o meu melhor para dar a minha contribuição para o maior sucesso do futebol croata", concluiu Mandzukic.

O atacante se retira da seleção croata com 89 partidas e 33 gols. Ele estreou em 2007 sob a direção do técnico Slaven Bilic. Desde então, Mandzukic participou dos Mundiais de 2014 e 2018 e das Eurocopas de 2012 e 2016. É o segundo maior artilheiro da história da Croácia, atrás do centroavante Davor Suker - goleador da Copa de 1998 e atual presidente da Federação Croata de Futebol.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.