Lucas Merçon/Fluminense
Lucas Merçon/Fluminense

Fluminense repudia vídeo homofóbico de Fellipe Bastos; jogador se desculpa

Clube critica gravação em que o atleta vascaíno comemora título da Taça Guanabara com ofensas

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2019 | 11h53

O Fluminense publicou nota oficial nesta segunda-feira para repudiar a provocação de cunho homofóbico de um jogador do Vasco. Após a conquista da Taça Guanabara, neste domingo, com a vitória por 1 a 0 no Maracanã, o volante alvinegro Fellipe Bastos gravou um vídeo com provocações ao time tricolor, que rebateu o material com um manifesto contra a homofobia.

Reserva do Vasco, Bastos foi à cerimônia de premiação e gravou um vídeo ao lado de um funcionário do clube em que xingou o Fluminense. "Série C do c... Vai tomar no c... Time de v...Time de v...", cantou o jogador. O material se espalhou rapidamente pelas redes sociais e levou a diretoria do Fluminense a divulgar na manhã desta segunda-feira uma nota.

Após a repercussão negativa, o atleta vascaíno publicou outro vídeo se desculpando pelo fato e disse ter sido "criado num futebol onde podia brincar". Ele também pediu para que parassem de ameaçar sua família.

O clube tricolor afirmou que a manifestação do jogador diminui a vitória vascaína e cobrou respeito à população LGBT do Brasil. "Sexualidade é diversidade. A intolerância não pode ter mais espaço na nossa sociedade. O Fluminense é um #TimeDeTodos, como todo clube deveria ser. E lamenta que alguns ainda deem lugar para o preconceito", escreveu.

A final da Taça Guanabara foi marcada por confusões entre as duas diretorias. A divisão de setores no Maracanã causou briga nos bastidores e indefinição para a torcida. Com bastante confusão do lado de fora do estádio, os torcedores só puderam entrar no local com cerca de 30 minutos do primeiro tempo.  

Íntegra da nota do clube:

O Fluminense entende que uma vitória seguida de homofobia é uma derrota para o esporte. Para a sociedade. E o país onde mais se assassina LGBTs no mundo não pode deixar uma demonstração tão clara de preconceito morrer. Por respeito. Por justiça. Por humanidade. O Fluminense, assim como todo clube de futebol, é feito de homens e mulheres de várias cores, condições sociais, sexualidades. E tem muito orgulho de cada um de seus torcedores. Por isso faz questão de afirmar, quantas vezes for necessária, que é um #timedetodos.

POSIÇÃO DE FELLIPE BASTOS

Ainda sem atuar em 2019, Felippe Bastos resolveu publicar um vídeo nas redes sociais para se desculpar: "Saibam que nunca foi minha intenção causar nenhum tipo de problema com ninguém, muito menos alimentar a homofobia, que deve ser combatida diariamente. Que isso não vá adiante, pois temos muitos problemas para combater na nossa sociedade, sendo a homofobia um deles."

"Gostaria de pedir desculpas às pessoas que se sentiram ofendidas por aquele vídeo que está viralizando na internet. Pedir desculpas à instituição Fluminense também, deixar bem claro que não tenho nada contra classe nenhuma, gostaria também de pedir desculpas a todas essas pessoas que se sentiram ofendidas, nasci e fui criado num futebol onde podia brincar, com alegria, mas foi um momento em que extravasei e atrapalhei um pouquinho.

Peço desculpas a todos, espero que entendam e parem de ameaçar minha esposa, meus filhos, eles não têm nada a ver com isso".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.