Divulgação
Guarani conseguiu tirar a desvantagem e venceu por 6 a 0 jogo da volta contra o ABC Divulgação

Após viradas históricas, Guarani inicia luta por título e façanha inéditos

Time de Campinas começa decisão com o Boa Esporte e, se for campeão, vai se tornar o primeiro a vencer as três principais divisões

Alison Negrinho, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2016 | 07h00

Foram duas viradas históricas, que garantiram o passaporte para a decisão da Série C do Campeonato Brasileiro. Após passar pelo ASA nas quartas e pelo ABC nas semifinais, o Guarani decide o título com o Boa Esporte. O primeiro jogo será neste sábado, às 19h15, no Brinco de Ouro. A partida de volta, no próximo sábado, vai ser em Varginha (MG).

Caso seja campeão, Guarani quebrará outra marca: se tornará o primeiro time a vencer as três principais séries do Campeonato Brasileiro. O título da elite veio em 1978, com um elenco que contava com nomes como Zenon e Careca, diante do Palmeiras. A Segunda Divisão foi conquistada em 1981, quando era denominada Taça de Prata, contra o Anapolina-GO.

A ascensão pode ser o impulso inicial no sonho do Guarani de voltar a ser protagonista no futebol brasileiro. O clube, que tem folha mensal de R$ 380 mil, contará com mais recursos para a próxima temporada. Se neste ano não houve cota por parte da CBF – responsável apenas pelas passagens aéreas para deslocamentos superiores aos 700 km, além da hospedagem no dia dos jogos –, em 2017 será diferente. 

Na Série B, os campineiros terão direito à um valor entre R$ 8 e 11 milhões, repassados das cotas de televisão. O passo seguinte é retornar à elite estadual. O Guarani chegou à final de maneira quase épica. Nas quartas, esteve ameaçado ao perder do ASA por 3 a 1, em Arapiraca. Na volta, fez 4 a 0 no Brinco de Ouro e seguiu em frente.

Na sequência, mais emoção. Repetindo o roteiro, perdeu longe de casa, por 4 a 0 para o ABC. A missão parecia impossível, mas no jogo do Brinco de Ouro o Guarani fez algo jamais visto na história do Campeonato Brasileiro: desfazer um placar adverso de quatro gols. Com sobras, pois goleou por 6 a 0.

A boa campanha, aliás, muito se deve ao grande desempenho obtido em casa. Está invicto em Campinas, com aproveitamento de 87,8% – nove vitórias e dois empates. A torcida também tem feito sua parte, empurrando o elenco, com média de 4.839 pessoas por jogo, considerada boa para a Série C

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

‘Nossa torcida merece muito essa conquista’

Fumagalli é o vice-artilheiro da Série C, com nove gols

Entrevista com

Fumagalli, meia do Guarani

Alison Negrinho, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2016 | 07h00

Vice-artilheiro da Série C com nove gols, o meia Fumagalli, ídolo da torcida do Guarani, afirmou ao Estado que a torcida merece o título e que, aos 39 anos, pretende seguir no clube de Campinas em 2017. 

Quais foram as dificuldades entre o fracasso na A2 do Paulistão e o sucesso na Série C?

Foi um baque. Mas o elenco mudou bastante, ficaram cinco ou seis. O grupo era jovem, com muita pressão, eles não estavam preparados. A Série C é difícil, com dois regulamentos – muda de pontos corridos para o mata-mata. Mas tivemos condições melhores de trabalho. Conseguimos campanha ótima na fase de classificação e depois suamos, mas conseguimos chegar.

Qual a importância do torcedor bugrino na campanha?

Começamos com desconfiança, só que já existia a consciência que precisávamos iniciar bem, para trazer o torcedor pro nosso lado. Conseguimos transformar o Brinco de Ouro em um verdadeiro caldeirão.

O time não conquista um título há 35 anos (foi campeão da Série B em 1981). O que esperar das finais da Série C?

Depois da maneira que nos classificamos, vamos muito fortes. Claro que temos de respeitar o Boa Esporte, porque são qualificados. Sabemos que será equilibrado, mas é um título para entrar para a história do clube. Nossa torcida merece muito essa conquista. 

Continua no clube em 2017?

Quero jogar mais uma temporada. Estou me sentindo muito bem aos 39 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.