Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Após vitória no clássico, Rogério Ceni quer Morumbi lotado novamente

Treinador do São Paulo quer ver o estádio com 50 mil pessoas novamente

Paulo Favero, O Estado de S. Paulo

16 Fevereiro 2017 | 10h30

O técnico Rogério Ceni comemorou a vitória no clássico com o Santos e acha que o resultado positivo pode fazer com que o estádio do Morumbi esteja mais uma vez cheio, desta vez para o duelo com o Mirassol, às 19h30, no sábado, pela quarta rodada do Campeonato Paulista.

"Queria ver de novo o Morumbi com 50 mil pessoas. Na descida do ônibus, quando encontra o torcedor, é muito bom. É um 12º combustível. A vitória sobre o Santos significa ver um Morumbi cheio. Com preço acessível, vamos colocar o torcedor", disse Ceni, citando o momento da virada no vestiário durante o intervalo. "Nossa conversa foi fazer alguns ajustes. Eu não consegui fazer durante o final do primeiro tempo."

O treinador está impressionado com a postura de seus atletas em campo. Ceni elogiou a força de vontade e a confiança que os jogadores estão demonstrando. "Eles não têm medo, eles têm coragem para jogar. Eles não se abalam com gol sofrido. Nem na Vila Belmiro. Quero ver essa coragem nos olhos de cada um", avisou.

Ceni também comentou sobre a estratégia do time para o clássico, que deu certo. "Para esse jogo, treinamos mais para ficar no contra-ataque. Contra a Ponte, jogamos com pressão alta. Contra o Santos, tem que alternar. Eu tento ajustar a equipe, mas mesmo assim eles conseguiram escapar com Ferraz e Zeca. Deu para ajustar melhor o posicionamento", comentou.

Agora ele já começa preparar o time para o confronto com o Mirassol, que tem três jogos e três vitórias no Paulistão. Mas antes vai saborear o fim do tabu na Vila Belmiro que vinha desde 2009. "São coisas que a gente treina, que a gente prega. Os jogadores são os grandes vencedores dessa partida", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.