Após zebra, Vasco vê Libertadores ainda mais distante

Derrota por 1 a 0 para o Juventude em São Januário caiu como balde de água fria nas pretensões vascaínas

04 de outubro de 2007 | 19h49

Era a partida perfeita para o Vasco recuperar a própria confiança e a de seus torcedores. Mas a zebra apareceu em São Januário, na derrota para o Juventude, penúltimo colocado do Campeonato Brasileiro. Já são três derrotas seguidas em casa (sete partidas sem vitória no geral), onde o Vasco ficou mais de um ano invicto. E dessa vez a desculpa do técnico Celso Roth, de que havia perdido para as duas melhores equipes do campeonato (São Paulo e Cruzeiro), não podia ser empregada. Até o treinador já desanimou a respeito da classificação para a Taça Libertadores. O Vasco ocupa a nona colocação, com 40 pontos, e está a oito do quarto colocado, o Grêmio. "Se já era complicado, agora precisamos vencer oito de dez partidas. Enquanto houver chance matemática, não vamos desistir", disse Roth.  E como desgraça pouca é bobagem, o Vasco perdeu dois de seus principais jogadores para o confronto contra o Atlético-PR, domingo, na Arena da Baixada. O lateral-direito Wagner Diniz e o volante Perdigão receberam o terceiro cartão amarelo e cumprem suspensão. O alento é a volta do atacante Leandro Amaral.

Tudo o que sabemos sobre:
Vasco da Gama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.