Apresentado em time chinês de Luxemburgo, Geuvânio mantém esperança de seleção

O atacante Geuvânio foi apresentado neste sábado como novo reforço do Tianjin Quanjian, clube comandado pelo técnico Vanderlei Luxemburgo e que faz pré-temporada em Atibaia, no interior de São Paulo. O agora ex-jogador do Santos recebeu a camisa 11 e não descartou o sonho de ser convocado pela seleção brasileira, mesmo atuando numa equipe que disputa a segunda divisão do Campeonato Chinês.

Estadão Conteúdo

23 Janeiro 2016 | 17h18

"Acho que tenho condição de ser convocado mesmo atuando no futebol chinês. Não descarto esta possibilidade. A partir do momento que se é contratado, o atleta precisa dar o máximo para jogar bem em qualquer lugar. O trabalho sendo bem feito no Tianjin, tenho certeza que os holofotes estarão direcionados para lá também. Estou bem tranquilo em relação a isso. É só continuar com o trabalho que vinha realizando antes", comentou o atacante.

O atleta explicou que a oferta financeira pesou bastante na decisão de se transferir para o futebol asiático. "Apesar de ter só 23 anos, esse contrato vai ser muito bom para mim. Vim de uma família humilde e, em algumas ocasiões, faltava comida na minha casa. Quem passou por isso, sabe como é complicado", contou.

Geuvânio formará o trio de ataque com uma dupla conhecida dos gramados paulistas e, para ele, será mais fácil se adaptar desta maneira. "Agora vou ter Luis Fabiano e Jadson ao meu lado, né? Isso é muito bom. Joguei contra os dois muitas vezes e sempre tive dificuldades. Luis Fabiano é um grande finalizador, artilheiro. E o Jadson tem uma visão de jogo muito apurada, isso facilita bastante para quem está mais na frente", afirmou.

"Espero que esse trio, juntamente com toda equipe de trabalho, consiga dar muitas alegrias aos torcedores chineses e, sobretudo, aos do Tianjin Quanjian. Será a primeira vez que vou jogar fora do Brasil e a expectativa é a melhor possível. Venho para demonstrar todo o meu talento e trabalho", finalizou o jogador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.