Divulgação
Divulgação

Apresentado no Flu, Abel Braga diz que time precisa recuperar 'alma e caráter'

Novo treinado chega pedindo reforços: 'Treinador não joga'

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

02 de dezembro de 2016 | 14h05

O Fluminense apresentou oficialmente Abel Braga como novo técnico no início da tarde desta sexta-feira. Ao lado do Peter Siemsen, que está encerrando seu mandato na presidência do clube, e de Pedro Abad, eleito recentemente para comandar o Flu, Abel Braga se disse feliz em voltar às Laranjeiras. E já estabeleceu a principal meta para o próximo ano: "tem de ter alma e caráter", afirmou.

Campeão carioca e brasileiro pelo Flu em 2012, Abel Braga se mostrou à vontade no retorno ao clube. Ele falou quase com a linguagem do torcedor. "Vim aqui buscar uma coisa que o torcedor quer. O time precisa de caráter. É um time que tem de existir alma. Isso está longe de acontecer. Tem de ter alma, caráter, tem de ter noção do escudo do peito", discursou o treinador.

Abel demonstrou já conhecer a nova estrutura de trabalho do clube, que recentemente inaugurou um novo centro de treinamento - ainda que incompleto -, na zona oeste do Rio de Janeiro. "Conheci o CT. Chamar de CT é muito pouco. Aquilo lá é muito maior. O clube centenário passa a ser diferente", disse.

O técnico não quis falar em reforços, mas deixou claro que novos jogadores precisarão chegar. "Treinador não joga, dirigente não joga. Vamos procurar dar à equipe as condições de jogo", comentou. "Peter (Siemsen) estruturou o clube, Pedro (Abad) vai dar continuidade. Mas existem coisas de serem resolvidas."

Abel Braga também comentou o desastre aéreo que vitimou a delegação da Chapecoense, na Colômbia. "A volta ao clube me faz amenizar a dor que estou sentindo pelo momento. Estive em Curitiba anteontem (quarta). Era fiador do meu filho no apartamento, que era do Gil, da Chapecoense. Convivi nos Emirados com Caio Júnior, frequentava a casa dele. Josimar foi meu jogador no Internacional. Há um mês, perdemos Carlos Alberto Torres. Só o futebol poderia amenizar a dor", comentou o técnico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.