Divulgação/Fluminense
Divulgação/Fluminense

Apresentado no Fluminense, Wellington Nem diz que voltou em busca de 'alegria'

Atacante estava no Shakhtar Donetsk e chega por empréstimo válido até o fim do ano

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2019 | 15h50

As primeiras palavras do atacante Wellington Nem em sua apresentação no Fluminense nesta sexta-feira, no CT Pedro Antônio, no Rio de Janeiro, foram carregadas de amor e carinho. O jogador, que retorna ao clube que o revelou depois de seis anos, revelou ter chorado quando saiu e se declarou ao time carioca, dizendo que voltou em busca de alegria.

Sorridente em boa parte da entrevista coletiva, Wellington Nem, que foi anunciado na última quinta-feira, estava no Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, e acertou o seu regresso ao Fluminense por empréstimo até o final desta temporada. O atacante disse que recebeu propostas de outros times, mas escolheu a equipe tricolor pela identificação.

"No Shakhtar eu tinha tudo, mas ao mesmo tempo eu não tinha o que mais prezo na vida: a alegria. Aqui no Fluminense eu tenho alegria, amor, minha família junto de mim. Lá eu não tinha isso. Aqui tenho o carinho da torcida, da diretoria, dos meus familiares que são tricolores. Quando apareceu a oportunidade, eu disse que queria vir", afirmou Wellington Nem.

"Chegaram outras propostas, mas eu falei que não queria, que a única coisa que eu queria era voltar para o Fluminense. Falei para o Shakhtar que se não fosse para vir para o Fluminense, eu não sairia. O que eu mais prezo nessa vida é ter alegria e aqui eu tenho alegria", completou.

Wellington Nem saiu do Fluminense em 2013 em alta, depois de ter sido fundamental na conquista do Campeonato Brasileiro no ano anterior e de ter aparecido bem em 2011, quando foi emprestado ao Figueirense. No Shakhtar Donetsk, nunca conseguiu repetir as atuações de brilho que o levaram até a seleção brasileira. Ele disse até que chorou quando saiu do clube do qual diz ser torcedor desde cedo.

"O amor pelo clube é a minha maior motivação. Sou tricolor desde pequeno. Fui para a Europa com pensamento de estar aqui. Quando tive a proposta para ir para o Shakhtar, eu não queria. Chorei muito antes do jogo contra o Criciúma. Voltar é o amor pelo clube, pelo presidente e pelo Celso também, que conversaram comigo, que fizeram o projeto. Isso foi maior", revelou.

A camisa do novo reforço do Fluminense ainda está sem numeração. Wellington Nem não esconde que a sua preferência é jogar com o número 18, que hoje pertence a Luciano, em negociação para sua saída do clube. "Vou esperar o que vai acontecer com o Luciano. Não sei se ele vai embora, estou por fora. Se ele for embora, vou querer jogar com a 18, foi marcante na minha vida, no Fluminense também. Vou esperar um pouco", comentou.

Formado em Xerém em 2005, Wellington Nem, que foi eleito revelação do Brasileirão em 2011, também passou pelo São Paulo em 2017, porém sem destaque. Atrapalhado pelas lesões, o atacante fez 23 jogos no clube paulista e marcou apenas um gol. O atacante de 27 anos é a terceira contratação da nova diretoria do Fluminense, formada pelo presidente Mário Bittencourt e o vice Celso Barros. O goleiro Muriel e o meia Nenê são as outras novidades.

"O Wellington Nem fez de tudo para voltar para cá. Fez tudo que pôde para estar aqui hoje, justamente pelo amor que ele tem pelo clube. Já havia tentado trazer ele de volta quando era vice de futebol, mas o clube dele não liberou", declarou Bittencourt, exaltando a vontade de Nem em defender o Fluminense novamente.

A chegada de Wellington Nem, aliás, aumenta as opções para o técnico Fernando Diniz escalar o setor ofensivo do Fluminense. O colombiano Yony González e os jovens João Pedro e Marcos Paulo deverão ser os seus principais concorrentes por uma vaga na formação titular.

Tudo o que sabemos sobre:
Wellington NemFluminensefutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Raí valoriza montagem do elenco do São Paulo para o Brasileirão
  • Em crise, Figueirense se movimenta para evitar novo W.O.
  • Corinthians, Palmeiras e São Paulo tem as melhores defesas do Campeonato Brasileiro
  • Podcast: personalidades do esporte analisam a situação do futebol no Brasil
  • Bruno Henrique vibra com gols no Maracanã: 'Semana mais feliz da minha vida'

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.