Divulgação/Palmeiras
Divulgação/Palmeiras

Apresentados, Alan Empereur e Kuscevic dizem ter escolhido o Palmeiras pela visibilidade

Novos zagueiros do time estava no futebol do exterior e ressaltam concorrência pela posição em chegada ao clube

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2020 | 13h58

O Palmeiras apresentou nesta quinta-feira os dois novos reforços para o setor defensivo. Os zagueiros Alan Empereur e Kuscevic chegaram ao clube nos últimos dias e disseram estar prontos para disputar a vaga no time titular com outras figuras já consolidadas no elenco. Os dois estavam em outros países e afirmaram que aceitaram a proposta pela visibilidade do futebol brasileiro.

Empereur é brasileiro e estava no Hellas Verona, da Itália. O defensor de 26 assinou contrato de empréstimo até junho do ano que vem. O chileno Kuscevic tem 24 anos e assinou vínculo por cinco temporadas após deixar a Universidad Católica. pela transferência, o Palmeiras deve pagar cerca de R$ 8 milhões. Empereur até estreou na quarta-feira, contra o Ceará, pela Copa do Brasil, e Kuscevic também já está liberado para entrar em campo.

Na entrevista coletiva de apresentação, os dois garantiram que aceitaram vir para o Palmeiras pela vitrine. "Aceitei pela grandeza do clube e organização. Tem muito a acrescentar a visibilidade que o Palmeiras tem", disse Empereur. "O Brasil tem a liga mais competitiva da América do Sul e jogar aqui me dá uma visibilidade maior para o técnico da seleção. Se fizer bem as coisas aqui, com certeza terei espaço", comentou Kuscevic.

A equipe tem vários desfalques na defesa e os dois devem ter uma sequência em breve. Os zagueiros titulares estão fora. Luan está com o novo coronavírus e Gustavo Gómez está com a seleção paraguaia. Por isso, os novatos podem até mesmo atuarem juntos no sábado, quando o Palmeiras recebe o Fluminense, pelo Campeonato Brasileiro.

Além de zagueiro, Empereur também joga como lateral-esquerdo e revelou na entrevista que por pouco não acertou com o antigo time do técnico Abel Ferreira, o PAOK, da Grécia. Mas novamente foi o português que o procurou para vir. "A gente conversou antes de eu chegar aqui. Foi tudo muito rápido, estava concentrado para o jogo do Milan e recebi o telefonema. Eu aceitei na hora", contou.

Já o chileno admite que terá uma forte disputa com colegas para se firmar no time titular. "A concorrência é muito dura aqui, precisa vir para somar. Estou preparado e me sinto cada vez melhor para dar 100%", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.