JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Rivaldo não vê a hora de entrar em campo pelo Mogi Mirim

Pentacampeão foi aprovado nos testes físicos no clube

Estadão Conteúdo

24 de junho de 2015 | 20h04

O retorno de Rivaldo aos gramados está cada vez mais próximo. Ele já treinou com o grupo do Mogi Mirim nesta quarta-feira, um dia depois de passar por uma bateria de exames físicos e médicos. Aprovado em todos os testes, ele já está à disposição do técnico Ailton Silva.

"Para um atleta que está parado há 15 meses, os números são surpreendentes, o que mostra que ele ainda mantém a sua performance de profissional. Vai precisar apenas ganhar um pouco de massa muscular", avaliou o fisiologista Ricardo Melo.

Aos 43 anos, Rivaldo abandonou a aposentadoria devido a situação do Mogi Mirim na Série B do Campeonato Brasileiro, no qual é o único time que ainda não venceu e está estagnado na lanterna com meros três pontos em oito partidas disputadas. O pentacampeão mundial com a seleção brasileira, em 2002, explicou que o motivo da sua volta é dar mais tranquilidade aos jogadores e ajudar com seu conhecimento dentro das quatro linhas.

Após os exames, ele mesmo ficou surpreso com os resultados. "Já vinha treinando normalmente, nunca fiquei parado, eu já esperava estar bem, mas não tão bem. Agora vai depender do como vai se comportar o meu joelho para saber quando poderei atuar pelo Mogi. O importante neste momento é estar junto ao elenco no dia a dia para subirmos na classificação, independente de ter condições de jogar ou não", afirmou o craque.

Em 2014, o pentacampeão anunciou a aposentadoria, após uma rápida passagem pelo próprio Mogi, devido a dores no joelho. Antes, já havia passado sem brilho por São Caetano, Kabuscorp, de Angola, e São Paulo, ficando longe do futebol apresentado em clubes como Barcelona e Olympiakos, ou até mesmo na seleção brasileira, então, no auge de sua forma física e técnica.

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
futebolMogi MirimRivaldo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.