Arábia pode liberar Marcelinho nesta quinta

O advogado do jogador Marcelinho Carioca, Marcos Motta, disse esperar para esta quinta-feira a concessão do visto das autoridades da Arábia Saudita para que o atleta possa retornar ao Brasil. "A Fifa enviou novo documento ao Al-Nassr, clube com o qual Marcelinho rescindiu contrato em 26 de novembro, pedindo agilidade em sua liberação", contou Motta. Os proprietários do clube pertencem à Família Real e estariam dificultando a saída do atleta. ?Enquanto espera o documento, Marcelinho vai curtindo férias forçadas na Arábia", disse Motta, que cancelou viagem à sede da Fifa, prevista para esta quarta-feira, por causa do fax enviado pela direção da entidade ao Al-Nassr na terça-feira. "A Fifa está em cima do caso, demonstrando muita atenção, não havia mais porque eu seguir para lá." Nesta quarta-feira, o advogado conversou várias vezes com Marcelinho por telefone. Disse que o atleta estava "tranqüilo", apenas aguardando o desfecho. O jogador havia saído durante o dia para ir ao supermercado. "Ele está bem orientado, sabendo que estão cuidando do assunto em vários níveis." O dilema de Marcelinho começou no final de novembro, depois da rescisão do contrato, por atraso de pagamento do Al-Nassr. O ex-jogador de Corinthians e Vasco se viu então numa situação delicada, já que os dirigentes do clube consideraram sua atitude uma afronta. Passou a sofrer com discriminação, teve seu passaporte retido, o visto (para sair do país é obrigatório) negado e até a luz de seu apartamento foi cortada. Em entrevista à Agência Estado, Motta declarou na segunda-feira que Marcelinho "estava como refém do clube". O advogado não obteve sucesso quando pediu ajuda à embaixada do Brasil na Arábia Saudita. Segundo contou, um representante da diplomacia brasileira em Riad dissera que não poderia "fazer nada", porque se tratava de um assunto restrito à Família Real.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.