Paulo Whitaker / Reuters
Paulo Whitaker / Reuters

Arábia Saudita contrata ex-técnico do Chile para substituir Bauza

Pizzi será o terceiro técnico da seleção saudita em 2017

Estadão Conteúdo

28 Novembro 2017 | 10h02

A Arábia Saudita anunciou nesta terça-feira que um outro argentino vai comandar a seleção na Copa do Mundo da Rússia, em 2018. Quase uma semana depois de demitir Edgardo Bauza, a federação de futebol do país contratou Juan Antonio Pizzi, que estava sem emprego desde que deixara o comando da seleção do Chile por não conseguir a vaga no Mundial.

+ Técnico deixa Austrália uma semana após conseguir vaga na Copa

+ Fifa define divisão das seleções nos potes para sorteio de grupos da Copa de 2018

Pizzi será o terceiro treinador do time saudita somente neste ano. A seleção começou 2017 sob o comando do holandês Bert van Marwijk, demitido em setembro, mesmo após sacramentar a vaga da equipe no Mundial da Rússia.

Para o lugar do holandês, a federação da Arábia Saudita contratou Bauza, que vinha de frustrada campanha à frente da Argentina nas Eliminatórias. Ele fora demitido por causa do baixo rendimento da equipe, que acabou se classificando à Copa sob a liderança de Jorge Sampaoli.

À frente da Arábia Saudita, Bauza esteve em apenas cinco amistosos. Teve dois triunfos sobre seleções mais fracas - 5 a 2 sobre a Jamaica e 2 a 0 sobre a Letônia -, mas também acumulou três derrotas - 3 a 0 para Gana, 3 a 0 para Portugal e 1 a 0 para a Bulgária. Os sauditas não deram maior explicação sobre a saída de Bauza, oficializada na quarta-feira passada.

O argentino será substituído pelo compatriota Pizzi, que se demitiu do Chile após a derrota por 3 a 0 para o Brasil, na última rodada das Eliminatórias. O resultado tirou o time chileno do Mundial de 2018. Em mais de um ano e meio de trabalho na equipe sul-americana, Pizzi foi campeão da Copa América Centenário, no ano passado, e levou o Chile à final da Copa das Confederações, neste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.