Aranha ironiza torcedora: 'Não conseguiu chorar'

Aranha ironiza torcedora: 'Não conseguiu chorar'

Goleiro critica aparições de torcedora na mídia, afirma que não quer se promover com o episódio e rebate declaração de Felipão

RAPHAEL RAMOS, O Estado de S. Paulo

19 Setembro 2014 | 08h28

Após o empate por 0 a 0 entre Grêmio e Santos, quinta-feira, na Arena, em Porto Alegre, pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro, o goleiro Aranha fez um desabafo sobre os xingamentos voltados a ele durante a partida e, apesar de dizer que perdoa a torcedora Patrícia Moreira, flagrada no dia 28 de agosto o chamando de "macaco" no mesmo estádio, reclamou da postura da gremista depois do episódio.

"Eu toparia numa boa me encontrar com ela, abraçá-la e dizer que perdoo, mas ela vai ter de responder pelo o que fez. O problema é o seguinte: eu não quero circo, não quero me promover com isso. Ela está indo nos programas de televisão, tentando se explicar e cada vez está piorando a situação. Ela sumiu, depois veio com advogado, tentou chorar e não conseguiu", disse Aranha.

O goleiro voltou a atacar a torcida gremista e a dizer que "há muitos anos" jogadores negros sofrem quando enfrentam o clube gaúcho em Porto Alegre. "Muita gente não me xingou com insultos racistas porque sabia que estava sendo filmada. Mas a intenção era a mesma. A impunidade é tanta que, às vezes, quando a Justiça funciona, a gente acha estranho e começa a criticar. Vi pessoas falando que eu estava me beneficiando disso. Não fiquei visitando programas de televisão, essa não foi minha intenção. Há muitos anos isso acontece, é uma briga interna aqui. Todo mundo sabe, mas não fala. Vai deixando, empurrando, até quando der", afirmou.

No dia 28 de agosto, em partida válida pelas oitavas de final da Copa do Brasil, Aranha foi chamado de "macaco" e "preto fedido" por parte da torcida gaúcha. O Grêmio foi excluído do torneio pelo STJD por causa do comportamento de seus torcedores. O clube recorreu da decisão e seu julgamento será no próximo dia 26.

Aranha também comentou as declarações de Felipão, que falou na terça-feira, durante treino no Estádio Olímpico, sobre uma suposta armação feita pelo goleiro santista na partida do dia 28 de agosto. "A imagem foi bem clara, não mostrou as 500, mil pessoas que estavam me xingando. Mostrou a garota e mais cinco pessoas, mas era muita gente me xingando. Respeito a opinião de todo mundo, às vezes não concordo e fico chateado. Ele fala de lá e eu falo daqui, mas a Justiça está aí para provar quem está certo e quem está errado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.