Ricardo Duarte/Inter
Ricardo Duarte/Inter

CBF cede à pressão de clubes e afasta sete árbitros em um mês e meio por erros graves

Entre junho e julho, o tom das cobranças de jogadores, técnicos e dirigentes subiu e sete árbitros foram afastados pela entidade, que tenta contornar mais uma crise envolvendo o setor

Marcio Dolzan/RIO e Pedro Ramos, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2022 | 15h05

O futebol brasileiro passa, mais uma vez, por grandes críticas à arbitragem. Assim como em outros anos, 2022 vem sendo marcado por erros graves de árbitros e assistentes em várias partidas. Entre junho e julho, o tom das cobranças de jogadores, técnicos e dirigentes subiu e sete árbitros foram afastados pela CBF, que tenta contornar mais uma crise envolvendo o setor.

Bruno Arleu de Araújo (Fifa), Savio Pereira Sampaio (Fifa), Rafael Traci (Fifa), Emerson de Almeida Ferreira, Marcus Vinicius Gomes, Luiz Flávio de Oliveira (Fifa) e Wagner Reway receberam punições e foram temporariamente afastados. Não há padronização para o afastamento de profissionais, seja quanto ao tempo na "geladeira", seja entender quais erros são passíveis dessa punição. 

O primeiro árbitro a ser punido foi Bruno Arleu de Araújo (Fifa), ainda em junho, na décima rodada do Brasileirão, quando não marcou um pênalti em Yago Pikachu, na partida entre Fortaleza e Goiás. Ele voltou a apitar um mês depois, no duelo entre Coritiba e Juventude.

Já Savio Pereira Sampaio e Rafael Traci (VAR) foram criticados e punidos por suas atuações no jogo entre Internacional e Botafogo no dia 19 de junho. Desde então, Sampaio ainda não voltou a apitar na Série A, enquanto Traci retornará neste domingo no duelo entre Athletico-PR e São Paulo, em Curitiba. Traci, inclusive, esteve como VAR no confronto entre Sport e Guarani pela Série B, na quinta-feira, e solicitou que o gol bugrino fosse revisado pelo árbitro André Luiz de Freitas Castro, que decidiu pela anulação por ver uma suposta falta. A decisão revoltou o Guarani em campo, que saiu derrotado da Ilha do Retiro. 

Emerson de Almeida Ferreira e Marcus Vinicius Gomes foram afastados após a partida entre Palmeiras e São Paulo pelo jogo da volta das oitavas de final da Copa do Brasil no dia 14 de julho. Eles ainda não retornaram a apitar na competição ou no Brasileirão. Já Luiz Flávio de Oliveira e Wagner Reway foram punidos na última quinta-feira por uma sucessão de erros no duelo entre Flamengo e Athletico-PR pela Copa do Brasil.

A arbitragem do futebol brasileiro teve que lidar com correções de rota neste ano. Em abril, a Comissão de Arbitragem passou a ter um novo presidente. Wilson Seneme assumiu a vaga, após deixar a mesma função na Conmebol, onde esteve por seis anos. Seneme chegou à CBF para preencher oficialmente a lacuna deixada após a saída de Leonardo Gaciba, demitido do cargo em novembro do ano passado, após uma série de episódios polêmicos envolvendo árbitros na reta final do Brasileirão. Ainda em abril, foram oficializados os desligamentos de dez funcionários, que tinham cargos de comando na arbitragem brasileira.

"A gente gostaria que a arbitragem não fosse lembrada após os jogos. A gente gostaria que os outros segmentos do futebol lembrassem dos gols bonitos, das jogadas maravilhosas, e que se falasse pouco da arbitragem. O grande objetivo dos árbitros é influenciar os resultados dos jogos o mínimo possível. Essa é a nossa busca", declarou Seneme ao Estadão após ser empossado no novo cargo.

Arbitragem terá intertemporada para treinamento

A ausência de um padrão de arbitragem confunde e incomoda jogadores, técnicos e dirigentes. O futebol brasileiro vive sempre em ebulição por conta das críticas e cobranças a um melhor desempenho dos árbitros. Na manhã de terça-feira, ao falar a dirigentes dos 40 clubes das Séries A e B do Campeonato Brasileiro, o presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues, admitiu que tem feito cobranças à Comissão de Arbitragem e afirmou que o próprio Wilson Seneme, às vezes fica "indignado" com marcações de campo.

Wilson Seneme anunciou que 95 árbitros de todo o Brasil passarão por uma intertemporada no Rio na próxima semana. Além disso, a partir de agosto haverá sessões de treinamento no Centro de Arbitragem da CBF todos os meses, com pequenos grupos. O dirigente também informou que foram criados 840 perfis em plataforma de vídeo e estatísticas para que os árbitros assistam aos lances dos jogos em que atuam, para análises de lances e orientações de instrutores. Além disso, está sendo criado um quadro com 128 árbitros VAR-CBF.

O treinamento será realizado entre 1º e 5 de agosto, em três sedes diferentes, e contará com trabalhos práticos em simuladores de VAR e em campo de jogo. A partir deste mês, a Comissão também realizará treinamentos práticos presenciais mensais com o quadro.” Ao todo, 95 árbitros terão atividades durante cinco dias, com foco sobretudo no VAR.

Dois pesos, duas medidas?

A árbitra Edina Alves (Fifa) apitou 17 jogos da Série A do Campeonato Brasileiro nos últimos dois anos, mas em 2022 ainda não atuou em nenhuma partida da competição após 14 rodadas. Em fevereiro, ela ficou marcada por dois erros no clássico entre Santos e São Paulo pelo Paulistão.

À época, a Federação Paulista de Futebol admitiu que Edina deixou de assinalar dois pênaltis a favor do time da Vila Belmiro na partida que terminou com vitória da equipe tricolor por 3 a 0.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.