Arbitragem no clássico foi normal para presidente da comissão

Marcos Marinho não tem opinião fechada sobre o gol anulado de Adriano e nega veto ao árbitro Salvio Fagundes

28 de janeiro de 2008 | 12h12

O presidente da Comissão Estadual de Arbitragem do Futebol, coronel Marcos Marinho, anunciou que o árbitro Salvio Spínola Fagundes Filho não será punido pelos problemas que teve no clássico São Paulo 0 x 0 Corinthians, onde os lances mais polêmicos foram um pênalti em Dagoberto não foi marcado e um gol de Adriano foi anulado.Veja também: Árbitro diz que lances do clássico são interpretativos Vote: Adriano fez falta em William? Opine: Dagoberto sofreu pênalti de Chicão? Bate-Pronto: Adriano e William estão certos em reclamarSobre o gol anulado, Marinho não teve uma opinião definitiva. "É um lance puramente interpretativo e o árbitro marcou falta. Eu tenho duas opiniões, por um ângulo dou falta, por outro não. Foi difícil, um jogo de muito contato, com jogadores ainda fora de forma. Acho que foi uma arbitragem regular por tudo o que aconteceu", disse, em entrevista à rádio Jovem Pan.Martinho fez questão de salientar que nenhum árbitro será vetado em qualquer jogo do Campeonato Paulista, como o São Paulo já anunciou que fará. "Na Federação Paulista de Futebol não tem essa de veto, evidente que você tem de precaver e preservar, mas temos 30 árbitros e qualquer um em condições de apitar. O Salvio foi sorteado, e não escalado."Ele ainda encara o protesto são-paulino como normal. "Árbitro não entra com predisposição de prejudicar time A ou B. São observações passionais e não trabalho com essa preocupação. O Marco Aurélio Cunha defende sua equipe, discutimos futebol, considero isso normal", emendando ainda sobre uma possível repetição de erros de Fagundes em jogos do time tricolor. "Não sei dizer [de erros constantes], desconheço esses dados, eu levo em consideração a parte emocional que entra em todas as equipes neste momentos, e considero a reclamação normal."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.