David Gray/Reuters
David Gray/Reuters

Árbitro da final da Copa de 2010 conta por que não expulsou De Jong

Howard Webb deu apenas amarelo para holandês por entrada forte em Xabi Alonso

EFE

19 Outubro 2016 | 18h09

O ex-árbitro inglês Howard Webb, que apitou a final da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, entre Espanha e Holanda, contou sobre o polêmico lance em que deixou de expulsar o volante holandês Nigel de Jong, por falta no espanhol Xabi Alonso e admitiu que se se arrependeu posteriormente.

O relato detalhado foi incluído na biografia de Webb, de 45 anos, 'The Man in the Middle', que o jornal "The Times" está publicando em capítulos. "Xabi Alonso cabeceou a bola para David Villa e, nesse momento, Nigel De Jong se chocou com ele. Justamente, nesse momento, eu estava atrás de Alonso, há uns nove metros, por isso, não pude ver o impacto e como De Jong havia entrado", escreveu.

Webb lembrou que mostrou cartão amarelo ao holandês, por entender que se tratou de uma "entrada inoportuna e muito forte". "Nenhum dos meus auxiliares me disse nada pelo rádio, por isso mostrei o amarelo, pelo que tinha visto. Com a mão no coração, nunca me passou pela cabeça que tinha sido para vermelho. Naquele momento, eu estava convencido", explicou.

Marcado desde 2010 por causa do lance, Webb garantiu que não sofreu qualquer tipo de pressão da Fifa para economizar cartões vermelhos na decisão da Copa do Mundo. "O puni pelo que vi. Assim que tirei o cartão, vi a reação dos espanhóis, dentro e fora de campo, mas pensei que estavam irritados pelo jogo físico dos holandeses, não por aquela falta em particular, ou por não ter dado lei da vantagem, quando a bola chegou a Villa", disse o inglês.

Hoje comentarista, Webb admitiu que, no fim do primeiro tempo da decisão percebeu que havia errado ao não expulsar De Jong. "Fiquei abatido até não poder mais. Senti que havia errado na final de uma Copa do Mundo. Que pesadelo desgraçado. Voltei para o campo após do intervalo com o coração batendo a mil por hora", revelou o árbitro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.