Cesar Greco/ Palmeiras
Cesar Greco/ Palmeiras

Árbitro de jogo do Palmeiras tem atuação elogiada pela Comissão de Arbitragem

Ednilson Corona diz que juiz acertou em lance polêmico e aprova estreia do VAR

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2019 | 21h01

Raphael Claus pode ter irritado os palmeirenses, mas agradou ao presidente da Comissão de Arbitragem da Federação Paulista, Ednilson Corona. O dirigente entendeu que o árbitro acertou no lance em que o Palmeiras reclama de irregularidade, no empate em 1 a 1 com o Novorizontino, e ainda aprovou a estreia do VAR em jogos do Campeonato Paulista. O lance fez com FPF e Palmeiras trocassem farpas nas redes sociais

"A primeira dúvida que eu tive, até por ser um processo novo, fiquei imaginando que esse lance poderia ter não sido checado, porque na mesma jogada teve a situação de um possível impedimento. Eu percebi que o Claus, pela comunicação, parecia estar apontando para o local que teria tido essa possível infração. Na sala, eles checaram, passaram por todas as imagens, inclusive pela imagem que aparece na televisão com o comentarista abordando a possível infração. Para eles, porém, não era claro. Então eles buscaram mais imagens e em outras duas imagens eles concluíram de forma clara que a bola não toca no braço, mas sim na barriga, perto da costela. Aí não há infração", explicou Corona, após a partida disputada em Novo Horizonte. 

O ex-árbitro ainda explicou o motivo de Claus não ter consultado as imagens, como pediram os jogadores do Palmeiras. "Não é essa a real utilização do VAR. A sala já percebeu que a bola não pegou no braço, então não tem motivo de ele parar o jogo e ir rever. Se não houve infração, não teria como o Claus ir lá checar", explicou. 

O lance que causou tanta polêmica aconteceu ainda no primeiro tempo. Antônio Carlos tentou sair jogando e chutou a bola em cima de Murilo Henrique. Para os palmeirenses, o jogador do Novorizontino dominou a bola com a mão e na sequência da jogada, saiu o gol de Cléo Silva. Para Corona, é preciso cautela no momento de avaliar as imagens. 

"Não sei quais foram os vídeos divulgados. Mas na sala recebemos o sinal de todas as câmeras. Eu vi depois a imagem no site, e ele só tem uma imagem. A sala também viu essa imagem. Por essa câmera eles não fecharam a opinião, foram em busca de mais imagens. Nesse período todo que a gente vem treinando, temos um instrutor que trabalha com a gente que diz assim: 'Não se apaixone pela primeira imagem'. Talvez, o comentarista da emissora tenha tido só uma imagem, aí ele ficou com a sensação de uma imagem e se apaixonou por ela. É dessa forma que eu concluo o que aconteceu", comentou. 

O presidente da Comissão de Arbitragem da FPF ainda elogiou a atuação de Raphael Claus. "Eu queria te falar também que gostei muito da atuação do Claus em campo. Tivemos dois lances difíceis, de interpretação difícil. Tivemos a oportunidade de rever para legitimar o resultado, isso que é legal no VAR. A gente checou todas as imagens, em duas câmeras que ofertam uma imagem melhor e mostra que toca na barriga. O pênalti também foi um lance difícil, onde o árbitro não tem um bom posicionamento pela dinâmica da jogada. Aí ele pôde parar o jogo, não deixou reiniciar e foi lá verificar. Aí ele concluiu que era uma infração e, de forma correta, dá o pênalti. Acho que foi extremamente satisfatório, mas lembro que precisamos sempre melhorar"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.