Rubens Chiri/ São Paulo FC
Rubens Chiri/ São Paulo FC

Árbitro diz na súmula que foi xingado por Lugano após clássico no Morumbi

Superintendente de relações institucionais do clube, ex-zagueiro afirma que fez cobranças, mas com respeito

Paulo Favero, O Estado de S. Paulo

16 de fevereiro de 2020 | 00h17

O árbitro Douglas Marques das Flores relatou na súmula do clássico entre São Paulo e Corinthians que foi xingado por Diego Lugano, superintendente de relações institucionais do clube tricolor. O juiz foi muito criticado pelos donos da casa no Morumbi após o empate por 0 a 0 por não ter marcado um suposto pênalti nos acréscimos do jogo.

"Informo que ao sair do campo de jogo e já estando presente no corredor de acesso ao vestiário dos árbitros, a equipe de arbitragem foi parada por dirigentes da equipe do São Paulo FC, onde foi identificado os senhores: Diego Alfredo Lugano Moreno, que proferiu as seguintes palavras 'safados, filho da puta', e Fernando Bracalle Ambrogi, que proferiu as seguintes palavras 'Agora vocês chamam a polícia, trabalhamos a semana inteira pra você vir aqui e fazer isso'. Informo ainda que foi necessário a intervenção da polícia militar."

Nas redes sociais é possível ver vídeos que mostram o momento que Lugano reclama com veemência da atuação do juiz. Tanto ele quanto Raí, executivo de futebol do São Paulo, reclamaram bastante da atuação do juiz. Ambos já tinham reclamado há alguns dias quando o clube foi prejudicado pela arbitragem diante do Novorizontino.

O uruguaio disse que apenas fez cobranças com respeito. "Falamos para que ele veja a televisão, que nos últimos quatro lances do jogo ele errou, e foram lances fundamentais. Com todo respeito tentamos falar para ele ver, refletir, que não é a primeira vez que acontece isso contra o São Paulo", lamentou o dirigente.

"A sequência de erros decisivos contra o São Paulo é incrível, não só nos últimos três jogos, ano passado, ano retrasado, é pênalti mal marcado, expulsões... Tudo em momentos chave do jogo, do campeonato, parece até ser estratégico. A gente fica muito preocupado, desesperado, mas precisamos trabalhar, jogar bola, não será a primeira vez que o time vence mesmo com erros contra, se você é muito superior ao rival, você vence igual", continuou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.