Árbitro do clássico mineiro é afastado e Kalil comemora

A reclamação do Atlético-MG sobre a atuação da arbitragem no clássico mineiro do último sábado surtiu efeito nesta terça-feira. Após a derrota por 3 a 1 para o Cruzeiro, o time atleticano anunciou que o juiz e os bandeirinhas da partida foram afastados por tempo indeterminado pela Federação Mineira de Futebol (FMF).

AE, Agencia Estado

23 de fevereiro de 2010 | 17h47

A decisão de afastar o árbitro Renato Cardoso Conceição e os auxiliares Guilherme Dias Camilo e Jair Albano Félix foi tomada na noite desta segunda-feira, em reunião na sede da FMF. No encontro, estiveram presentes o presidente da entidade, Paulo Schettino, o presidente da Comissão de Arbitragem, Jurandir Gama Filho, e Rodolfo Gropen, diretor de gestão do Atlético.

Quem não escondeu a satisfação pela punição foi o presidente atleticano Alexandre Kalil. "A Federação Mineira está provando que pode mudar e, realmente, não esperávamos outra postura que não essa. Diante do que aconteceu no jogo, era o mínimo que poderia ser feito. Não queremos ser favorecidos, desejamos apenas que os árbitros não prejudiquem o espetáculo", disse Kalil.

O lance que causou maior revolta do Atlético no clássico aconteceu aos dois minutos do segundo tempo, quando Diego Tardelli marcou um gol regular e o árbitro anulou o lance. Neste momento, a partida estava empatada por 1 a 1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.