Árbitro e empresário podem ser soltos

Acaba nesta quarta-feira, às 21 horas, o prazo da prisão temporária de cinco dias decretada pela juíza Antônia Brasilina de Paula Farah ao árbitro Edílson Pereira de Carvalho e ao empresário e chefe da quadrilha que fazia apostas em jogos de futebol fraudados, Nagib Fayad, o Gibão. Ambos podem ser soltos sob o argumento de que estão colaborando com as investigações da Polícia Federal e do Ministério Público. Eles aderiram ao benefício da delação premiada, previsto em lei. Edílson só permaneceria na carceragem da Polícia Federal, onde está desde sábado sem receber visitas, caso os promotores do Gaeco, Roberto Porto e José Reinaldo Guimarães Carneiro, e o delegado Protógenes Queiroz, da Polícia Federal, entenderem tal necessidade e pedirem ainda nesta quarta a prorrogação da prisão por mais cinco dias ? determinação também prevista em lei. Não há indícios de que isso aconteça e o mais provável é que o árbitro responda ao indiciamento em liberdade. A decisão, no entanto, só será anunciada nesta quarta. ?Ainda não decidimos sobre isso?, disse José Reinaldo Guimarães Carneiro.Uma das preocupações dos promotores nessa fase das apurações é não perder o foco das investigações: as fraudes de Edílson no futebol brasileiro. Porto e Carneiro estão seguros de ter desmantelado a quadrilha que fazia apostas milionárias em sites de jogatinas com resultados armados. Também estão seguros de que Edílson Pereira de Carvalho é culpado. Ele será acusado de crime contra a economia popular, estelionato, falsificação ideológica e formação de quadrilha. Enquanto isso, continua colaborando com as investigações. ?Temos certeza de que a quadrilha da ?máfia do apito? não está mais atuando. Ela foi quebrada na sua espinha dorsal. Sou torcedor de futebol e aconselho que os torcedores continuem indo aos estádios?, disse Carneiro. O Gaeco e a PF seguem em silêncio sobre novos nomes. ?O fato existe e isso independe se uma ou sete pessoas faziam as fraudes. Não queremos nos antecipar. Tudo será revelado no seu devido tempo.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.