Tatyana Makeyeva / Reuters
Tatyana Makeyeva / Reuters

Árbitro holandês apitará jogo entre Brasil e Costa Rica

Bjorn Kuipers foi o árbitro da partida entre Uruguai e Egito na primeira rodada da fase de grupos

Leandro Silveira, enviado especial / Sochi, O Estado de S.Paulo

20 Junho 2018 | 08h02

Após as polêmicas no jogo de estreia da seleção brasileira na Copa do Mundo, a Fifa decidiu escolher um árbitro experiente para apitar o segundo compromisso da equipe na Rússia. Nesta quarta-feira, a entidade anunciou que o holandês Björn Kuipers, de 45 anos, será o responsável por dirigir o duelo com a Costa Rica, sexta, em São Petersburgo, pelo Grupo E

+ Fifa se recusa a fornecer áudio e vídeo de jogo Brasil x Suíça para CBF

+ Especialistas explicam relação de amor e ódio da torcida brasileira com Neymar

+ Com baixo rendimento, Paulinho pode perder posição na seleção

Kuipers é árbitro Fifa desde 2006 e já trabalhou nesta edição da Copa, na última sexta-feira, no triunfo da seleção uruguaia por 1 a 0 sobre o Egito, que transcorreu sem maiores polêmicas. Ele distribuiu dois cartões amarelos no confronto, ambos para os africanos, que cometeram 12 faltas, seis a mais do que os sul-americanos. 

Agora, então, voltará a trabalhar uma semana depois, sob a pressão da CBF, irritada com o trabalho do mexicano César Arturo Ramos no empate por 1 a 1 com a Suíça, na Arena Rostov, no domingo. Ele será auxiliado pelos compatriotas Sander Van Roekel e e Erwin Zein. Os eslovenos Damir Skomina e Jure Praprotnik serão o quarto árbitro e o árbitro reserva, respectivamente.

Há quatro anos, Kuipers esteve no Brasil para o Mundial. E foi ele que apitou o clássico em que a Itália venceu a Inglaterra por 2 a 1, na Arena da Amazônia, pela fase de grupos, na qual ainda trabalhou em outro duelo europeu, a goleada da França por 5 a 2 sobre a Suíça, na Fonte Nova. Depois, no Maracanã, foi o juiz do triunfo da Colômbia por 2 a 0 sobre o Uruguai, no Maracanã. 

 

Um ano antes, Kuipers também esteve no Brasil, para trabalhar na Copa das Confederações. E ele traz boas lembranças para a seleção, pois além de ter apitado a vitória do Uruguai por 2 a 1 sobre a Nigéria, também comandou a final da competição, em que a seleção venceu fácil a Espanha por 3 a 0. 

O longo currículo de Kuipers também passa por competições europeias, como as edições de 2012 e de 2016 da Eurocopa e a final da Liga dos Campeões de 2014 - o Real Madrid venceu o Atlético de Madrid por 4 a 1, em duelo definido na prorrogação após a equipe arrancar o empate nos acréscimos do segundo tempo. Em 2017, dirigiu a final do Mundial Sub-20, enquanto neste ano comandou a decisão da Liga Europa.

A aposta da Fifa em Kuipers é uma tentativa de evitar polêmicas no empate do Brasil contra Suíça em 1 a 1. Na estreia, a seleção reclamou de falta em Miranda no gol de empate da Suíça e também de um suposto pênalti em Gabriel Jesus quando o o placar estava em 1 a 1. A entidade rejeitou as reclamações da CBF e negou acesso aos áudios e vídeos do árbitro de vídeo.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.