Árbitro inclui insultos na súmula e Grêmio pode ser punido

Wilton Pereira Sampaio, que não havia mencionado os atos racistas da torcida gremista, usou imagens de TV para relatar o episódio

Lucas Rivas, O Estado de S. Paulo

29 de agosto de 2014 | 11h31

Atualizado às 12h47

Depois de ter ignorado em um primeiro momento o ato de racismo contra o goleiro Aranha, praticado por torcedores gremistas durante o jogo entre Grêmio e Santos, na noite desta quinta-feira, em Porto Alegre, o árbitro Wilton Pereira Sampaio acabou alterando o texto da súmula da partida nesta sexta. Ele inclui os acontecimentos flagrados em imagens de TV, já no fim do confronto válido pelas oitavas de final da Copa do Brasil. Após a partida, o juiz não havia relatado o episódio. 

Com isso, o Grêmio pode ser punido pelos atos racistas, caso seja denunciado pela procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Em caso de punição, o clube gaúcho pode perder mandos de campo e até ser excluído da competição. A pena também prevê a perda de pontos, porém como a Copa do Brasil é um torneiro de mata-mata, o time gaúcho pode ser eliminado.

No adendo que fez na súmula, Wilton Pereira Sampaio disse que resolveu incluir o ato de racismo na súmula do jogo ao ter a certeza de que o mesmo de fato aconteceu, o que no estádio não foi constatado pelo juiz e pelos outros dois integrantes do trio de arbitragem da partida.

"Informo que ao chegar ao hotel, advindo do estádio, por volta das 23h50, tive conhecimento através da imprensa que durante a partida existiram atos de racismo oriundos da torcida do Grêmio direcionados ao goleiro da equipe do Santos FC, Sr. Mario Lúcio Duarte Costa (Aranha), nº 1. Relato que aos 41 minutos do segundo tempo, durante uma paralisação do jogo, dois atletas que se encontravam no banco de reservas da equipe do Santos, nº 7, Sr. Robson de Souza, e nº 10, Sr. Gabriel Barbosa Almeida, me relataram que o goleiro da sua equipe estava sendo vítima de atos de racismo, momento em que me dirigi até o referido atleta, o mesmo confirmou tal fato. Contudo, nenhum integrante da equipe de arbitragem ouviu ou presenciou tais atos. Após esta paralisação o jogo teve prosseguimento normal sem qualquer relato de outro atleta", informou Wilton Pereira Sampaio no adendo da súmula.

Inicialmente, a súmula da partida apontava apenas que um rolo de papel higiênico foi atirado em direção ao lado direito da meta defendida por Aranha, sendo que o objeto partiu de onde estavam posicionados os torcedores que praticaram atos racistas contra o goleiro. Ele disse ter sido chamado de "preto fedido" e as câmeras da transmissão da TV também captaram gritos de "macaco" por parte da torcida.

Em nota oficial divulgada nesta sexta-feira, o Grêmio condenou os atos de racismo contra o goleiro Aranha, do Santos. Conforme a publicação, se os torcedores envolvidos forem identificados, eles serão proibidos de entrar no estádio. Além disso, caso os responsáveis sejam sócios, o clube promete excluí-los do Quadro Social.

Logo após o fim do jogo, o goleiro Aranha lamentou os episódios de racismo ocorridos. "A torcida pegar no pé é normal. Mas começaram com palavras racistas: 'Preto Fedido', 'Seu Preto', "Bando de Preto'. Até aí ainda estava me segurando. Aí quando começou aquele corinho de 'macaco’, eu fiquei bem nervoso. Com o perdão da palavra, fiquei p...Isso dói. Não é possível", disparou.

Além disso, imagens captadas pela ESPN flagraram o momento em que uma das torcedoras do Grêmio chama Aranha de "macaco" por meio de leitura labial. Durante o jogo, o goleiro santista comunicou a arbitragem sobre os insultos racistas. Aranha não registrou boletim de ocorrência, porém o Santos irá até a polícia comunicar o fato.

Com a bola rolando, o Grêmio perdeu por dois a zero para o Santos. Os gols foram marcados no primeiro tempo por David Braz (37min) e Robinho (44min). O confronto de volta está marcado para a próxima quarta-feira, 3, na Vila Belmiro, em Santos.

Confira, abaixo, a nota divulgada pelo Grêmio na íntegra:

"O Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense lamenta e repudia o ato de racismo ocorrido na noite desta quinta-feira, durante partida realizada pela Copa do Brasil, na Arena do Grêmio. O Clube se solidariza com o atleta Aranha e com seu clube, Santos, ressaltando que atos como esse são fruto de atitudes individuais e isoladas, que em nada representam a grandiosidade e o respeito da torcida gremista. 

Informamos que o Departamento Jurídico do Clube, em conjunto com a administração da Arena, já está tomando todas as medidas possíveis para que os envolvidos neste episódio sejam identificados e para que os materiais disponíveis sejam enviados às autoridades policiais, a fim de tomarem as providências cabíveis no âmbito criminal.

No que se refere às ações administrativas, caso os responsáveis identificados sejam sócios do clube, estes serão imediatamente suspensos do Quadro Social e proibidos de ingressar no estádio.

Reiteramos que o Grêmio tem sido um incentivador de iniciativas que visam coibir esse tipo de crime e que continuará alerta e atuante na luta contra a discriminação racial."

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa do BrasilGrêmioracismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.